Salto - Matthew Syed

Salto - Matthew Syed

Todos nós podemos realmente ser os melhores? A ideia de habilidade inata está nos impedindo? Descubra a resposta dessas e outras perguntas nesse resumo.

O livro "Salto", nos leva a uma exploração reveladora sobre ser melhor e a verdadeira natureza do talento. Ao fazê-lo, ela desmascara muitos mitos - que podemos nascer brilhantes (e que prodígios infantis provam isso); que somos restringidos por nossa composição genética; e que o contexto social é importante.

Uma análise de ponta - e destruição final - do mito do talento inato na busca pela excelência.

Sobre o livro "Salto"

Lançado em 2010, "Salto" em tradução livre do original "Bounce", foi escrita por Matthew Syed que analisa os perigos do "mito do talento". Um livro com uma mensagem clara: o sucesso é possível para todos nós, mas vem com muito trabalho e autoconfiança ao invés de habilidade inata.

Sobre o autor Matthew Syed

Matthew Syed é escritor, jornalista esportivo e jogador de tênis de mesa. Ele ganhou o prêmio de jornalista esportivo do ano pelo "British Press Awards" e também o de escritor de esportes do ano pelo "Sports Journalist Association Awards".

Além disso, é tricampeão de tênis de mesa da "Commonwealth".

Esse livro é indicado para quem?

Se você acredita que com trabalho duro alcançará o sucesso, a leitura do livro "Salto" é obrigatória para você.

Ideias principais do livro "Salto"

  • Praticamente todos que triunfam contra as probabilidades é, em uma inspeção mais detalhista, um beneficiário de circunstâncias anormais;
  • A oportunidade é necessária e suficiente para o sucesso?
  • A ideia de que o talento natural determina sucesso e fracasso é hoje tão poderosa que é aceita sem hesitação;
  • Não é tanto falta de talento; é a falta de capacidade de repetir de maneira consistente que frustra a maioria das pessoas. E a única resposta para isso é a prática;
  • Antes, falamos que a quantidade de prática é necessária para chegar ao topo, e vimos que é uma quantidade impressionante de tempo.
  • Igualmente importante a prática é a sua qualidade.

Faça o Download do Resumo do Livro "Salto" em PDF grátis

Está sem tempo para ler agora? Então faça o download gratuito do PDF e leia onde e quando quiser:

[Resumo do Livro] Salto - Matthew Syed, PDF

Overview: A Meritocracia

Gostamos de pensar que o esporte é uma meritocracia - onde a conquista é impulsionada pela capacidade e pelo trabalho duro - mas não é nada disso.

Pense nos milhares de potenciais campeões de tênis de mesa que não tiveram a sorte de morar em Silverdale Road, com seu conjunto peculiar de vantagens.

Pense nos milhares de potenciais campeões de Wimbledon que nunca tiveram a sorte de possuir uma raquete de tênis ou receber treinamento especializado.

Pense nos milhões de potenciais golfistas vencedores que nunca tiveram acesso a um clube de golfe.

Praticamente todo homem ou mulher que triunfa contra as probabilidades é, em uma inspeção mais minuciosa, um beneficiário de circunstâncias incomuns. A ilusão consiste em focar na individualidade de seu triunfo sem perceber - ou se preocupar em procurar as oportunidades poderosas empilhadas a seu favor.

Este é um dos pontos centrais de Malcolm Gladwell em seu maravilhoso livro "Fora de Série".

Gladwell mostra como o sucesso de Bill Gates, dos Beatles e de outros artistas notáveis não tem tanto a ver com "o que eles gostam", mas sim com "de onde eles vêm".

Overview: Oportunidade versus Dons Naturais

Mas vale a pena fazer uma pausa aqui por um momento para considerar uma objeção. Você pode concordar com o argumento de que a oportunidade é necessária para o sucesso, mas é suficiente?

E os dons naturais que destaca o melhor dos demais? Essas habilidades não são necessárias para chegar à final de Wimbledon ou ao topo de um pódio olímpico? Elas não são necessárias para se tornar um grande mestre do xadrez ou o CEO de uma multinacional? Não é ilusório supor que você (ou seu filho) possa obter grande sucesso sem também possuir talento raro?

Essa tem sido a presunção permanente da sociedade moderna desde que Francis Galton, um polímata inglês vitoriano, publicou seu livro "Hereditary Genius". No livro, Galton usa as idéias de seu meio-primo Charles Darwin para criar uma teoria da conquista humana que permanece em ascensão até hoje.

Galton escreve: "que as habilidades naturais de um homem são derivadas da herança, sob exatamente as mesmas limitações que a forma e as características físicas de todo o mundo orgânico..."

Não tenho paciência com a hipótese de que os bebês nascem de maneira semelhante e os únicos agentes na criação de diferenças são disciplina constante e esforço moral.

A ideia de que o talento natural determina sucesso e fracasso é hoje tão poderosa que é aceita sem hesitação.

Parece indiscutível. Quando assistimos Roger Federer ou um grande mestre de xadrez jogando vinte jogos simultaneamente, somos irresistivelmente atraídos para a conclusão de que eles possuem presentes especiais não compartilhados pelo resto de nós.

As habilidades são tão qualitativamente diferentes, tão distanciadas de nossas próprias vidas e experiências, que a própria idéia de que poderíamos obter resultados semelhantes com as mesmas oportunidades parece ridícula.

As metáforas que usamos para descrever realizadores excelentes incentivam esse modo de pensar. Dizem que Roger Federer tem "tênis codificado em seu DNA". Diz-se que Tiger Woods "nasceu para jogar golfe".

Mas o talento é o que pensamos que é?

Overview: O que é talento

Afinal, o que é talento? Muitas pessoas têm certeza de que sabem disso quando veem; que eles podem olhar para um grupo de crianças e discernir a maneira como se movem, como interagem, como se adaptam, quais deles contêm os genes ocultos necessários para o sucesso.

Como disse o diretor administrativo de uma prestigiada escola de violino: "O talento é algo que um técnico de violino de primeira classe pode identificar em jovens músicos que os marca como destinados à grandeza".

Mas como o professor sabe que esse jovem artista talentoso, que parece tão talentoso, não teve muitas horas de treinamento especial nos bastidores? Como ele afirma que as diferenças iniciais de habilidade entre esse jovem e o resto persistem ao longo de muitos anos de prática? De fato, ele não sabe, como vários estudos demonstraram.

Uma investigação de músicos britânicos, por exemplo, descobriu que os melhores artistas não aprenderam mais rápido do que aqueles que atingiram níveis mais baixos de realização: hora a hora, os vários grupos melhoraram a taxas quase idênticas. A diferença era simplesmente o melhor desempenho praticado por mais horas.

Pesquisas posteriores mostraram que, quando os melhores artistas parecem possuir um presente inicial para a música, geralmente é porque eles recebem aulas extras em casa pelos pais.

Jack Nicklaus, o jogador de golfe mais bem-sucedido de todos os tempos, afirmou: "Ninguém nunca se tornou realmente proficiente no golfe sem praticar, sem pensar muito e depois acertar muitos tiros. Não é tanto falta de talento; é a falta de capacidade de repetir boas jogadas de maneira consistente que frustra a maioria dos jogadores. E a única resposta para isso é prática."

Overview: O poder da prática

O que acontece quando você dirige seu carro? Certamente está marcando inúmeras horas ao volante, mas isso constitui a aquisição de conhecimento? Não é como se você estivesse tentando melhorar.

Em vez disso, pode estar pensando em outras coisas: descobrindo o que fazer para o jantar; falando com outra pessoa; ouvindo o rádio e dedilhando os dedos no volante. Na verdade, está dirigindo no piloto automático.

Isso pode parecer um exemplo extremo, mas se aplica (em uma extensão um pouco menor) a um número surpreendente de nós. Nós fazemos nosso trabalho, mas muitas vezes com nossas mentes ausentes - parcial ou totalmente - do que estamos fazendo.

É por isso que (como dezenas de estudos demonstraram) o período de tempo em muitas ocupações está apenas fracamente relacionado ao desempenho. Mera experiência em excelência.

Antes, falamos que a quantidade de prática é necessária para chegar ao topo, e vimos que é uma quantidade impressionante de tempo.

Mas, igualmente importante, é a qualidade da prática: o aprendizado especializado usado pelos melhores profissionais para obter o status de mestre e a profunda concentração necessária durante cada uma dessas dez mil horas para fazê las contar.

Matthew Syed, no livro "Salto", chama isso de "prática proposital". Por quê? Porque as sessões de treinos de aspirantes a campeões têm um objetivo específico e ininterrupto: progresso.

A cada segundo de cada minuto de cada hora, o objetivo é estender a mente e o corpo, empurrar-se para além dos limites externos de suas capacidades, envolver-se tão profundamente na tarefa que a sessão de treinamento, literalmente, te transforma em outra pessoa.

Vale a pena afirmar: o desempenho de classe mundial vem lutando por um objetivo fora do alcance, mas com uma percepção vívida de como a lacuna pode ser quebrada.

Com o tempo, através de repetição constante e profunda concentração, a lacuna desaparecerá, apenas para que um novo alvo seja criado, fora do alcance novamente.

O que outros autores dizem a respeito?

Em "Poder sem Limites", Tony Robbins explica que uma pessoa de sucesso tende a andar mais ereta, mais imponente, demonstrando autoestima. Uma maneira de ter sucesso, então, seria replicar esse comportamento e começar a andar da mesma maneira.

Na obra "Somos Todos Criativos", o autor Ken Robinson diz que todos nascem com talentos naturais, mas poucos são aqueles que descobrem quais são e a forma de desenvolvê-los. Dessa forma, pode-se concluir que todos têm capacidade criativa, o desafio é desenvolvê-las, pois necessita de muita disciplina e trabalho.

Por fim, o livro "Garra", da autora Angela Duckworth, nos leva a questionar o que leva uma pessoa ao sucesso. Para ela, o que distingue as pessoas bem-sucedidas das que não são é a garra, que é uma combinação de paixão e perseverança.

Certo, mas como posso aplicar isso na minha vida?

Como disse um especialista em negócios, "Pouquíssimas empresas introduziram os princípios da prática [proposital] no local de trabalho. Claro, as horas passar devagar em alguns empregos, mas as tarefas geralmente são repetitivas e chatas e não levam os funcionários a seus limites criativos, quem dirá além disso."

Há muito pouco aconselhamento ou treinamento e o feedback objetivo é praticamente inexistente, geralmente incluindo pouco mais do que uma revisão anual sem entusiasmo.

Por que qualquer indivíduo gastaria tempo e energia buscando oportunidades de melhorar se o sucesso é, em última análise, sobre talento, e não prática? Por que faríamos sacrifícios se os ganhos são, na melhor das hipóteses, incertos? Por que deixaríamos a zona de conforto para os rigores da zona de aprendizado se os benefícios advém apenas das pessoas com os genes certos?

A teoria do dom natural não é meramente falha; é traiçoeiro na prática, roubando indivíduos e instituições da motivação para mudar a si mesmos e à sociedade. Mesmo que não consigamos abraçar a idéia de que o conhecimento é essencialmente a qualidade e a quantidade da prática, não podemos aceitar que a prática seja muito mais significativa do que se pensava anteriormente? Esse talento é um conceito amplamente extinto? Cada um de nós tem o potencial de seguir o caminho da excelência?

Gostou desse resumo do livro "Salto"?

Se você gostou da obra de Matthew Syed, "Salto", deixe seu feedback para sabermos sua opinião e oferecermos sempre o melhor para você!

Se quiser se aprofundar mais no assunto, você pode aproveitar e adquirir o livro clicando no link abaixo:

Livro Salto

Adicionar aos favoritos
Ler mais tarde
Marcar como lido
Create Account
Cadastre-se gratuitamente

E receba semanalmente resumo dos maiores best sellers para ler e ouvir quando quiser!