A Voz na sua Cabeça - Ethan Kross

Entenda como funciona e aprenda a controlar a voz na sua cabeça capaz de te tirar a concentração ou fugir do seu controle, principalmente em momentos importantes!

Favoritar
Salvar
Lido
Escolha sua linguagem:

 

Você já se sentiu sabotado pelos seus próprios pensamentos? Entrou em pânico antes de uma prova difícil, ou se preocupou demais com uma situação que, no fim das contas, foi resolvida facilmente? Então, o resumo do livro “A Voz na sua Cabeça”, de Ethan Kross, é indispensável para você!

Ethan nos explica como e por quais motivos a “voz na nossa cabeça” existe - e não pense que você está maluco por ouvi-la - e nos ensina a lidar com esses pensamentos de maneiras mais fáceis do que você imagina!

Sendo assim, o objetivo principal da obra é fazer com que entendamos a importância da existência dessa voz interior, e que sejamos capazes não de calá-la, mas transformá-la, de maneira que possamos extrair os benefícios que ela pode nos oferecer.

 

Sobre o livro “A Voz na sua Cabeça”

 

Originalmente, o livro se chama “Chatter: The Voice in Our Head, Why It Matters, and How to Harness It, e em sua versão em português é chamado de “A Voz na sua Cabeça: Como reduzir o ruído mental e transformar nosso crítico interno em maior aliado”.

Possuindo sete capítulos que explicam, justificam e exemplificam todas as ações que podemos tomar para controlarmos nossa voz interna, a obra possui 306 páginas.

Justificando a sua grande importância e relevância, a obra é destaque nas categorias de Ciência da Conduta, Psicologia Cognitiva, Transformação Pessoal, e Neurociência da Amazon. Em janeiro de 2021 foi lançada internacionalmente, e, em outubro, no Brasil.

 

Sobre o autor Ethan Kross

 

Ethan Kross é um psicólogo e neurocientista experimental que estuda a ciência da introspecção no Laboratório de Emoção e Autocontrole, fundado pelo próprio autor, na Universidade de Michigan.

Ele realiza pesquisas e estudos sobre como as conversas internas - o que são, por que nós as temos e como podemos nos aproveitar delas - que as pessoas têm consigo mesmas são capazes de influenciar fortemente a maneira com que vivem suas vidas, fazendo com que sejam mais felizes, saudáveis e produtivas.

 

Esse livro é indicado para quem?

 

Esta obra é indicada para pessoas que possuem dificuldades em compreender a voz presente em sua própria mente (e que, muitas vezes, se sentem sabotadas por ela), e gostariam de aprender a controlá-la. Também é indicada para curiosos sobre a mente humana e o que a faz se destacar perante as de outros seres vivos.

 

Ideias principais do livro “A Voz na sua Cabeça”

 

  • Conversas internas são normais e saudáveis, o importante é mantê-las sob o seu controle;

  • Nós nos vemos por diferentes perspectivas das que vemos outras pessoas;

  • A maneira com que enxergamos um impedimento faz nosso cérebro reagir de maneiras diferentes;

  • Às vezes, tudo que precisamos é observar as coisas por outro ângulo;

  • É importante saber filtrar as pessoas com as quais você compartilha seus pensamentos, principalmente aqueles que lhe perturbam;

  • O ambiente em que vivemos possui grande impacto sobre como nossos pensamentos funcionam;

  • A sua mente tem o poder de curar enquanto você acreditar que ela é capaz.

 

Faça o Download do Resumo do Livro "A Voz na sua Cabeça" em PDF grátis

 

Está sem tempo para ler agora? Então faça o download gratuito do PDF e leia onde e quando quiser:

 

[Resumo do Livro] A voz na sua cabeça - Ethan Kross, PDF

 

Por que falamos com nós mesmos?

 

Com certeza você já reviveu em sua mente melhores respostas que poderia ter dado em uma discussão que já terminou, repetiu mentalmente uma informação para que não a esquecesse ou simplesmente se deu instruções enquanto realizava uma tarefa complicada. Isso tudo foi a sua voz interior trabalhando.

 

Existe uma forma correta de falarmos com nós mesmos?

 

Você já se perguntou qual o motivo pelo qual algumas pessoas conseguem focar em si mesmas e compreender seus sentimentos, enquanto outras sucumbem com a mesma tentativa? Ou como algumas parecem ter sempre tudo sob controle, mesmo em situações de estresse, enquanto outras entram em pânico facilmente?

Ethan Kross defende em sua obra, embasado em muitos estudos científicos, que as conversas que temos com nós mesmos, ou com a nossa “voz interior" possui grande influência sobre nossos sentimentos e sobre como reagimos a diferentes situações. Então, sim! Existe uma forma correta de falar consigo mesmo!

 

O que é introspecção e por que ela é importante?

 

Segundo o autor, a introspecção se trata de prestar atenção de maneira ativa aos nossos próprios pensamentos e sentimentos. Essa habilidade é tão importante pois nos possibilita imaginar, relembrar, refletir, e, em seguida, usar estes devaneios para resolver nossos problemas, inovar e criar.

Ethan e muitos outros cientistas consideram a capacidade humana de introspecção como o centro dos avanços evolutivos que distinguem o ser humano de outras espécies, além de nos proporcionar o poder de resiliência.  

 

O que acontece quando falar com nós mesmos não gera o efeito esperado? 

 

Somos viajantes do tempo?

 

Apesar da famosa máxima “carpe diem” (algo como “aproveite o dia”), as pessoas, frequentemente, estão imersas nas dores e arrependimentos do passado ou nos medos e ansiedades sobre o futuro, o que prejudica a capacidade de conexão e concentração consigo mesmo e com os outros no momento atual.

O autor traz o conceito de default state como a tendência de reviver eventos passados, imaginar possíveis cenários e realizar outras reflexões internas, e afirma que passamos de um terço à até metade do tempo viajando entre os tempos passado e futuro, mesmo quando tentamos nos concentrar no presente.

 

O Chatter é nosso inimigo?

 

Ethan Kross afirma que utilizar a mente para processar pensamentos e sentimentos de maneiras erradas pode levar a interferências nas habilidades de tomada de decisão, afetar a performance no trabalho, estudos e outras tarefas importantes, além de impactar negativamente nos nossos relacionamentos pessoais. 

Chatter, nome da obra em sua versão original, consiste em pensamentos e emoções negativas que agem ciclicamente, transformando nossa capacidade de introspecção em algo negativo e perigoso.

Quando tomamos uma decisão ruim, muitas vezes pensamos sobre ela por tempo demais, em como poderíamos ter feito as coisas diferentes ou como estava óbvio que não era a decisão correta. Continuamos pensando e pensando até estarmos tão sobrecarregados que sequer conseguimos focar em encontrar uma solução.

Chatter aparece, principalmente, em momentos que não precisamos dele, nos trazendo angústia, preocupações, medo, arrependimento, e fazendo com que não consigamos fazer o que é mais importante em momentos de estresse: pensar logicamente.

Para aprender a controlar nossa mente para que se comporte da maneira mais adequada possível, Ethan apresenta a “caixa de ferramentas”, afirmando que os instrumentos necessários para reduzir o Chatter e nos beneficiarmos da nossa voz interior não são coisas das quais precisamos procurar por aí.

 

A Caixa de Ferramentas

 

Nossa voz interior pode ser nossa melhor conselheira ou nosso pior crítico, tudo depende da maneira com que lidamos com ela.

O autor classifica as ferramentas em três categorias:

 

  1. Ferramentas que você pode implementar por conta própria;

  2. Ferramentas que envolvem outras pessoas;

    1. Ferramentas para fornecer apoio;

    2. Ferramentas para receber apoio;

  3. Ferramentas que envolvem o ambiente.

 

Ferramentas que você pode implementar por conta própria

 

Segundo o autor, essas são ferramentas que podem ser utilizadas sem necessitar de auxílio externo, e que, inclusive, podem ser aplicadas somente ao conversar com a voz na sua cabeça, sem sequer proferir uma única palavra em voz alta (apesar de Ethan afirmar que falar sozinho é algo saudável e natural, caso lhe agrade).

 

Mudança de Perspectiva

 

Você já aconselhou pessoas importantes pra você sobre certas situações e, quando você próprio se viu em uma condição semelhante, se sentiu sem rumo sobre que decisão tomar?

Isso acontece pois, segundo diversas pesquisas psicológicas e comportamentais mencionadas por Ethan Kross, nossa mente reage de diferentes maneiras dependendo de que maneira observamos uma situação

Quando aconselhamos um amigo, por exemplo, tendemos a ser imparciais, pensando de maneira mais lógica e com foco na resolução do problema, enquanto quando entramos em um espiral de reflexão interna, muitas vezes nos perdemos nos nossos próprios sentimentos e pensamentos indesejados.

Para solucionar isso, o autor sugere alguns instrumentos presentes na nossa própria caixa mental de ferramentas.

É possível ampliar a perspectiva dos pensamentos ao mudar a forma com que você fala consigo ou sobre si: troque o pronome “eu” por “você”. Talvez pense que essa atitude seja arrogante, mas, cientificamente, quando fazemos isso, nosso cérebro automaticamente muda o ponto de vista dos pensamentos, sendo mais crítico.

 

O que o Batman faria?

 

Pode parecer uma pergunta estranha, mas ela é muito utilizada para explicar o “efeito Batman", que, nada mais é que uma estratégia de distanciamento utilizada com crianças, que são solicitadas à imaginar seu personagem favorito na mesma situação, para que consigam enfrentá-las com mais coragem e tranquilidade.

Já no mundo adulto, podemos utilizar a mesma estratégia de uma forma um pouco diferente (ou, quem sabe, continuar se espelhando no próprio Batman).

Sendo assim, outra maneira de visualizar situações de maneira mais analítica é imaginar que está aconselhando alguém especial, ou relembrar as situações difíceis que você ou pessoas que você admira já enfrentaram com êxito. Isso diz à sua mente que todos passam por momentos difíceis e que eles são passageiros. 

 

Transformando Experiências em Desafios

 

Outra questão importante a qual Ethan Kross trata, é a maneira com que visualizamos e enfrentamos as situações: se você interpreta uma situação como uma ameaça - e algo a qual você não é capaz de lidar ou resolver -, sua mente e corpo reagirão de maneira equivalente.

Já se você considerar a situação como um desafio - algo que pode enfrentar e que lhe trará aprendizado -, você terá uma resposta mais agradável de si mesmo. 

Biologicamente, nosso corpo reage de maneiras diferentes ao perigo e à incitação, o que tem grande influência em nosso comportamento. Cabe a você definir do que se tratam as experiências pelas quais está passando: desafio ou ameaça?

 

Ferramentas que envolvem outras pessoas

 

Em se tratando de relacionamentos interpessoais, sabemos que, às vezes, recorremos para as pessoas erradas ou não somos as pessoas adequadas para oferecer certos conselhos.

Sendo assim, Ethan sugere algumas atitudes para dar e receber apoio de maneira mais efetiva.

 

Fornecendo apoio contra o Chatter

 

O autor afirma que a maneira mais eficiente de fornecer apoio à alguém é oferecer um conselho construtivo, que consiste em disponibilizar apoio emocional (demonstrar compaixão, respeito e empatia com a situação) e, ao mesmo tempo, apoio racional (mostrar os caminhos lógicos para a resolução do problema).

Outra estratégia para oferecer apoio é o que Ethan chama de “apoio invisível”, definido como o suporte que damos a alguém sem necessariamente falarmos dele.

O apoio invisível pode ser feito realizando tarefas que removam algum impedimento sobre a situação da pessoa auxiliada, ou que propiciem um ambiente mais confortável à ela, como fazer o almoço enquanto o seu cônjuge finaliza uma tarefa importante, ou reduzir os ruídos enquanto seu irmão estuda, por exemplo.

 

Recebendo apoio contra o Chatter

 

Ethan Kross destaca a importância de filtrar as pessoas com quem dividimos nossos pensamentos, informando que, quando compartilhados com as pessoas erradas, isso pode apenas nos prejudicar. Por isso, aborda a necessidade de observarmos as atitudes das pessoas que nos aconselham e como nos sentimos com isso

Receber apoio de pessoas que apenas nos questionam sobre nossos problemas, instigam nossos sentimentos ruins e não nos oferecem sugestões de resolução, apenas nos faz falar mais sobre o problema e sobrecarrega nossos pensamentos com mais pensamentos ruins.

Dessa forma, assim como você se torna um bom conselheiro oferecendo suporte emocional e lógico, é importante buscar pessoas capazes de oferecer o mesmo à você.

Além disso, o contato físico, quando respeitoso, também é um apoio invisível que, biológica e psicologicamente, nos faz sentir mais confortáveis e amparados. Por isso, não exite em oferecer e solicitar abraços nos momentos difíceis. 

 

Ferramentas que envolvem o ambiente

 

Muitas pesquisas já comprovaram que o ambiente em que vivemos é capaz de influenciar nossos pensamentos e sentimentos de maneira muito impactante. Por isso, o autor utiliza esta informação para influenciar nossa voz interior de maneira benéfica.

Ethan afirma que um ambiente organizado, seja ele no trabalho ou em casa, comunica ao nosso cérebro que está tudo sob controle, que existe ordem e, por isso, não é necessário se preocupar ou se estressar tanto.

Além da ordem, a exposição a áreas verdes (desde imensas florestas, até os cartões postais na sua geladeira ou o cacto na sua janela), também é capaz de relaxar o nosso cérebro, aumentar nosso foco e diminuir a ansiedade. Você já se sentiu revigorado depois de passear em um parque? Esta é a explicação!

Por último, o autor fala da importância das experiências inspiradoras (um salto de paraquedas ou observar um bebê dar os primeiros passos, por exemplo), afirmando que vivenciá-las nos faz sentir como se fossemos parte de algo muito maior, inibindo a ação do nosso Chatter. É, literalmente, quando algo te deixa “sem palavras”!

 

O que outros autores dizem a respeito?

 

Napoleon Hill, autor de “Atitude Mental Positiva”, trata sobre um método (ao qual a obra foi nomeada), capaz de ser aplicado para alcançar e melhorar nossa saúde mental e física, felicidade, riqueza e todos os objetivos que desejarmos. Ele defende que tudo isso pode ser feito por meio de mudanças na nossa forma de pensar.

Já na obra “O Jogo Interior de Tênis”, de W. Timothy Gallwey, aprendemos como conquistar nossa autoconfiança e melhorar nosso foco com uma técnica chamada de “concentração relaxada”, capaz de explorar nosso potencial ilimitado e, até então, desconhecido.

Por fim, no livro “Calma aí, P*rra”, Sarah Knight aborda sobre como podemos lidar, de maneira descontraída, com momentos em que saímos do controle, e ao final de tudo, extraímos algo positivo dessas situações.

 

Certo, mas como posso aplicar isso na minha vida?

 

Toda a obra nos traz explicações de como funcionam os instrumentos da caixa de ferramentas e como é possível aplicá-los conosco e com as pessoas que nos são especiais. 

Sendo assim, você pode seguir as recomendações e ensinamentos que Ethan Kross oferece e ser paciente consigo e com as pessoas ao seu redor durante o processo de mudança dos padrões de pensamentos, pois as transformações internas acontecem de maneira gradativa, mas, ainda sim, significativas.

 

Gostou desse resumo do livro “A Voz na sua Cabeça”?

 

Você imaginaria que as ações para controlar os nossos ruídos mentais e tirar proveito deles poderiam ser tão simples de ser aplicadas?

O que você acha de nos contar a sua estratégia preferida? Aproveite e nos deixe um feedback sobre este resumo, a sua opinião é muito importante para nós!

E, se você quiser adquirir a obra completa, pode fazê-lo clicando na imagem abaixo. Esperamos que esta viagem desbravando os cantos da nossa mente tenha sido divertida para você, nos vemos numa próxima! 

Livro "A voz na sua cabeça"

Nota:
O conteúdo apresentado acima traduz a visão e análise crítica da nossa equipe de redatores, respeitando os fundamentos de propriedade intelectual no Brasil (artigo 8, inciso I).
Nenhuma parte do livro está sendo copiada. São conteúdos únicos e exclusivos, sempre dando créditos aos autores e indicando o link para aquisição da obra completa. A PocketBook4You respeita o código de direitos autorais de acordo com o estabelecido na legislação brasileira, Lei 9.610/98.
Este conteúdo é de propriedade exclusiva da PocketBook4You e está protegido pela Lei de Direitos Autorais em seus artigos 46, I, (a) e em seu artigo 47, isso porque não se trata de reprodução e também não lhe implicam qualquer descrédito, pelo contrário, o direito moral é protegido e, como ressaltado anteriormente, o leitor recebe um link para adquirir a obra. É proibida a reprodução deste material sem a autorização da empresa.
Favoritar
Salvar
Lido
Cadastre-se gratuitamente

E receba semanalmente resumo dos maiores best sellers para ler e ouvir quando quiser!

Aprenda um novo livro a cada dia. Se inscreva na news e confira os destaques de hoje!