Como se Tornar Mais Produtivo - Ismar Souza

Como se Tornar Mais Produtivo - Ismar Souza

Você sente que não sabe administrar o seu tempo? Leia este resumo e dê o primeiro passo em direção a uma vida mais produtiva e adquira hábitos saudáveis com as técnicas apresentadas aqui.

Para Ismar Souza, procrastinação pode ser definida como “o ato de adiar uma ação ou um projeto”. Ele traz o dado de que cerca de três a cada quatro pessoas adiam ao menos uma tarefa por dia.

Pense em tudo o que tinha para fazer e tudo o que já fez hoje. Se você é uma dessas três pessoas, continue lendo esse resumo e vai aprender uma série de métodos, mudanças de pensamento e hábitos de vida que podem lhe ajudar a parar de perder o seu capital mais valioso: o tempo.

Mas, se hoje você se encontra nos outros 25%, não deixe para amanhã a leitura deste resumo! Não vai querer começar a procrastinar agora, não é?

Sobre o livro “Como se Tornar Mais Produtivo: Pare de Procrastinar, Elimine as Distrações e Aumente sua Produtividade”

“Como se Tornar Mais Produtivo: Pare de Procrastinar, Elimine as Distrações e Aumente sua Produtividade”, de Ismar Souza, foi publicado em 2019, de forma independente.

O livro tem 124 páginas, distribuídas em seis capítulos. Cada subdivisão de um capítulo vem acompanhada de uma frase dita por alguma personalidade bem-sucedida que servirá de motivação para aumentar a sua produtividade.

Sobre o autor Ismar Souza

O brasileiro Ismar Souza é Instrutor de Cursos Online e Especialista em e-Learning.

Seus cursos online têm mais de 2500 estudantes, espalhados por 60 países.

Os livros que Ismar publicou na Amazon somam mais de 1,5 milhão de páginas lidas, por mais de 50 mil pessoas.

Eles abordam temas como: desenvolvimento pessoal, autoconhecimento, técnicas de aprendizagem e negócios online com base na educação.

Esse livro é indicado para quem?

Essa leitura é ideal para  pessoas perfeccionistas, aquelas que são dominadas por seus medos, as que não conseguem decidir o que é prioridade em suas vidas, ou as precisam de um guia para mudarem hábitos nocivos e que vão encontrar a ajuda que precisam no livro “Como se Tornar Mais Produtivo”.

Ao ler esse resumo, você aprenderá a organizar melhor as ocupações promovendo uma experiência mais proveitosa não apenas no trabalho, mas também nos relacionamentos, nos cuidados com a casa, e até mesmo nos hobbies.

Ideias principais do livro “Como se Tornar Mais Produtivo: Pare de Procrastinar, Elimine as Distrações e Aumente sua Produtividade”

  • O perfeccionismo pode ser um hábito nocivo, pois o perfeito só existe na imaginação;
  • Administrar o seu tempo é a chave para o sucesso, pois estar ocupado não significa ser produtivo;
  • Fazer pouco de forma constante é melhor que fazer muito vez ou outra;
  • É preciso saber balancear suas prioridades e a equilibrar os momentos de descontração com os de produção.

Faça o Download do Resumo do Livro "Como se Tornar Mais Produtivo" em PDF grátis

Está sem tempo para ler agora? Então faça o download gratuito do PDF e leia onde e quando quiser:

Clique aqui e baixe seu PDF!

A procrastinação é sempre emocional

O livro já se inicia definindo quais recursos devem ser utilizados para se alcançar a produtividade: energia, atenção, conhecimento, ferramentas, recursos humanos, recursos financeiros e tempo.

Em contrapartida, temos os principais medos que limitam a produtividade.

O medo de errar pode ser corrigido ao entender e interiorizar que erros são naturais. O exemplo dado é de Thomas Edison, que ao errar centenas de vezes até inventar a lâmpada, afirmava que apenas descobriu centenas de maneiras para não se produzir uma lâmpada.

Para lidar com o medo da imperfeição, é preciso saber que o momento, a pessoa ou o local perfeitos não existem. Fazer o melhor possível, com as ferramentas disponíveis. Essa é a definição de excelência.

Pessoas que buscam pela excelência não se deixam levar pelo medo de ser julgado. Mas, quem se afeta por isso, deve ter em mente que todas as pessoas vão defender as escolhas que elas próprias tomariam em cada situação, portanto, o julgamento sempre vai existir.

E isso gera como consequência a procrastinação. São apresentadas três razões que levam alguém a procrastinar:

  1. Não estar seguro sobre o que precisa fazer;
  2. Não ter uma visão clara dos resultados;
  3. Tentar evitar uma dor ou um desconforto.

O primeiro passo para mudar essa situação é admitir que ela acontece. Para remediar de modo mais imediato, é importante identificar o ponto fraco mais crucial e apenas começar a trabalhar nele pouco a pouco.

O perfeccionismo mal-adaptado pode ser um desses pontos. Metas quase impossíveis, pensamentos de alto contraste (ou tudo é muito bom, ou muito ruim), problemas de auto-estima, não reconhecer esforços alheios nem os próprios resultados são algumas características de quem tem esse comportamento.

Comemorar os avanços, por menores que sejam, libera dopamina, que é chamada de hormônio da motivação. Isso pode ajudar essas pessoas a entregar mais resultados.

Executar várias tarefas ao mesmo tempo também é prejudicial. Segundo um estudo realizado na Universidade de Utah, nos Estados Unidos, apenas 2,5% das pessoas realmente conseguem fazer isso com um resultado satisfatório.

Quem tem dificuldade em dizer “não” pode acabar perdendo tempo com atividades que não agregam. O autor ensina três estratégias para lidar com isso:

  1. Pedir um tempo para dar a resposta e pensar no motivo para não fazer aquilo;
  2. Elogiar a atividade, negar, e agradecer o convite;
  3. Fazer uma contraproposta, caso esteja disposto a realizar apenas parte do que foi pedido. 

O grande diferencial na busca por atingir resultados é a intenção. É isso que faz acreditar ser possível. Para aumentar o nível dessa força, Ismar coloca os seguintes pontos:

  1. Focar mais nos resultados do que nos detalhes do processo;
  2. Filtrar os pensamentos e comentários negativos;
  3. Imaginar-se já tendo alcançado aquele objetivo;
  4. Sentir, com o maior realismo possível, a cena imaginada no ponto anterior.

Mente sã, corpo são

O desempenho cerebral e físico também depende, é claro, de questões biológicas.

A alimentação é um ponto-chave. O autor cita os elementos principais que devem estar incluídos na dieta, como proteínas, lipídios e carboidratos de cadeias complexas, além de ômega 3, flavonoides e gordura saturada em porções pequenas.

A dieta colorida também é muito valorizada. Alimentos com triptofano mantêm a vitalidade do organismo e ajudam a produzir serotonina, neurotransmissor que regula o humor e o sono.

Com tantas coisas a se considerar, o mais recomendado é procurar um especialista em nutrição para orientar nesse processo.

A prática de exercícios tem a mesma importância no processo.

Para estimular a prática constante, o autor recomenda que se estude sobre o exercício a ser praticado. Outro facilitador é a ancoragem de hábitos. O modelo a se seguir é “Depois que eu (âncora), eu vou (novo hábito)”. Dessa forma, o corpo atrela um comportamento já estabelecido ao que se quer adquirir.

A respiração é um último ponto que interfere no ápice do desempenho.

A meditação regular ajuda a aumentar a estabilidade emocional, a criatividade e a alegria, desenvolver a intuição e ter mais clareza. Para quem não está acostumado com a prática, focar por alguns minutos apenas no ar sendo inspirado e expirado já é um bom começo.

A técnica “4-7-8”, praticada por antigas culturas orientais, também se utiliza desse mecanismo involuntário para ajudar a ter uma boa noite de sono.

Consiste apenas em inspirar pelo nariz por 4 segundos, manter o ar nos pulmões durante 7 segundos, expirar todo o ar durante 8 segundos, e repetir o processo até adormecer.

Somente o necessário

A cultura difundida na sociedade de que, para ter sucesso, deve-se produzir cada vez mais, incessantemente, não é verdadeira.

Confirmando isso, aqui o autor usa a autoridade de Steve Jobs, dizendo que “decidir o que não fazer é tão importante quanto decidir o que fazer”.

Para colocar na prática, existe o modelo EDT. Eliminar as atividades inúteis, diminuir a frequência ou intensidade do que traz pouco retorno, e terceirizar o que puder ser feito por outra pessoa.

Já a Lei de Parkinson diz que “um trabalho se expande de forma a preencher todo o tempo disponível para ele”. Diminuindo os seus próprios prazos cada vez mais, até chegar no limite, vai ajudar a não gastar mais tempo do que o realmente necessário.

O conceito de Dose Mínima Eficaz (DME) prega exatamente isso. Se a água ferve a 100 °C, 99 graus não serão suficientes, e com 110 haverá um desperdício de energia. Aplicar o mínimo esforço necessário para realizar uma tarefa promove a consistência no trabalho.

Metodologia

Tudo o que vivemos faz parte de um projeto. Fazer um bem detalhado facilita o acompanhamento do progresso.

Projetos são compostos por ações — que, na analogia do autor, seriam tijolos —, metas — um cômodo, composto por várias paredes, feitas de vários tijolos —, e o objetivo — a grande casa, com vários cômodos, que vai crescendo ao longo do tempo.

Metas bem definidas influenciam diretamente na motivação para realizar aquele projeto. O método S.M.A.R.T. é bastante utilizado para essa definição. O acrônimo, em inglês, significa:

  • Específica: as metas precisam ser claras e detalhadas; 
  • Mensurável: a meta só pode ser acompanhada, se ela puder ser medida;
  • Alcançável: nem algo fácil demais, nem difícil demais;
  • Relevante: o resultado da meta deve trazer alguma vantagem;
  • Temporal: definir um prazo inicial e final para a conclusão.

Outra forma de priorizar as coisas verdadeiramente essenciais é usar o Princípio de Pareto prega que 20% das atividades consomem 80% do tempo. Com isso, para saber o que priorizar, existe a Matriz de Eisenhower. São quatro quadrantes para distribuir tudo que consome seu tempo.

No primeiro, tarefas importantes e urgentes, que devem ser realizadas na hora.

O quadrante 2 é o principal e que deve dispôr de mais tempo. Aqui, fica o que é importante, mas ainda está dentro do prazo.

O terceiro é onde se concentra aquele sentimento de improdutividade e, portanto, precisa ser muito controlado, com ações que não tem importância, mas sim urgência.

Por último, tudo que não tem nem importância, nem urgência, é dispensável e pode se converter em tempo para ser investido no quadrante 2.

Outro método que o autor indica para aprimorar o trabalho é a Técnica Pomodoro.

Gatilho, rotina e recompensa

De três a quatro semanas. Esse é o tempo que o autor indica ser necessário para que você consiga criar um novo hábito, segundo estudos.

E, para ele, a primeira é a mais difícil. Por isso, hábitos ruins precisam ser substituídos por outros melhores. É mais fácil assim do que tentar cortá-los de vez.

Hábitos são formados por gatilho, rotina e recompensa. Para o primeiro, o ambiente precisa ser reestruturado, de modo que não lembre o que leva ao mau hábito.

A rotina diminui a quantidade de decisões a se tomar, descansando o cérebro. Uma rotina matinal que desperte e prepare o corpo, como a prática de yoga ou uma leitura rápida, aumenta a disposição. À noite, não utilizar aparelhos eletrônicos uma hora de antes de se deitar, ajuda a relaxar após o dia de trabalho, por exemplo.

E, para obrigações desagradáveis, balancear depois, com algo prazeroso, é motivador e incentiva a não desistir.

Compartilhar seus objetivos e dar autoridade a uma pessoa de confiança para te corrigir ou alertar quando escapar do caminho também é uma boa tática.

Tenha em mente que a procrastinação virá, uma hora ou outra. Nesse momento, direcione esse comportamento para as posterioridades — o oposto do que é mais importante — que você definiu utilizando os métodos aprendidos.

O que outros autores dizem a respeito?

Tamara Myles ensina, em seu livro “Produtividade Máxima”, a estabelecer prioridades, gerenciar melhor o seu tempo, organizar seu espaço e até mesmo seu ambiente eletrônico.

No livro “Produtividade Para Quem Quer Tempo”, o palestrante Geronimo Theml apresenta outras técnicas para aumentar a produtividade, principalmente para pessoas que se sentem sempre muito atarefadas.

E na obra “Essencialismo”, o consultor de gestão Greg McKeown ajuda a identificar quais atividades são prioritárias e quais são dispensáveis, também como forma de aprimorar o uso do tempo.

Certo, mas como posso aplicar isso na minha vida?

  • Identifique o que está lhe atrasando;
  • O importante é dar o primeiro passo. O resultado vem a passos pequenos e constantes;
  • Evite pensamentos negativos e pessoas que só sabem reclamar;
  • Procure profissionais de nutrição e educação física. Manter o organismo saudável influencia diretamente na capacidade de produzir;
  • Lembre-se de transformar o negativo em positivo, até mesmo a procrastinação pode ser um ócio produtivo;
  • Utilize as técnicas de gerenciamento de tarefas aprendidas aqui.

Gostou desse resumo do livro “Como se Tornar Mais Produtivo”?

Agora que você aprendeu o que deve fazer para se tornar mais produtivo, a primeira etapa é começar!

Para isso, que tal nos dar um feedback sobre o que achou das dicas que recebeu aqui? Qual você acha que será mais útil para a sua situação? Conte para nós, nos comentários, quando conseguir colocar algo em prática!

Se você quiser saber detalhes sobre as técnicas faladas aqui, e pegar outras dicas, como os aplicativos que o autor indica para ajudar no processo, clique na imagem abaixo e adquira o livro completo, em português.

Clique aqui e adquira o livro completo!

Adicionar aos favoritos
Ler mais tarde
Marcar como lido
Create Account
Cadastre-se gratuitamente

E receba semanalmente resumo dos maiores best sellers para ler e ouvir quando quiser!