Leading the Learning Revolution - Jeff Cobb

Leading the Learning Revolution - Jeff Cobb

Aprenda aqui como lucrar com um produto que as pessoas jamais poderão se dar ao luxo de deixar de consumir!

No mundo atual é muito difícil que um profissional pare de estudar, uma vez que qualquer área de atuação sofre mudanças.

Ao se contentar com o que aprendeu no passado, o profissional corre riscos de ficar desatualizado e perder espaço.

Portanto, fornecer produtos na área da educação se mostra como uma excelente oportunidade para os empreendedores que têm o objetivo de aumentar o seus ganhos.

Por isso, neste resumo do livro "Leading the Learning Revolution", nós vamos conhecer algumas dicas de Jeff Cobb para capitalizar com o mercado educacional, um ramo que nunca para.

Sobre o livro "Leading the Learning Revolution"

O livro "Leading the Learning Revolution" foi publicado em 2013 pela editora Amacom. A obra se propõe a ser um guia para a formação de um negócio bem-sucedido na área do ensino.

As quase 200 páginas divididas em 10 capítulos não trazem apenas conceitos teóricos, também contam com relatos da experiência prática do autor.

Sobre o autor Jeff Cobb

Jeff Cobb é empreendedor, consultor de empresas da área educacional, professor, palestrante e escritor. Ele também é o autor dos livros "Shift Ed" e "10 Ways of Being a Better Learner".

Além disso, foi fundador da Tagoras, uma companhia especializada em oferecer serviços referentes à educação continuada.

Esse livro é indicado para quem?

O livro "Leading the Learning Revolution" é indicado para empreendedores que desejam aproveitar o mercado moderno da educação para melhorar os seus ganhos.

Ideias principais do livro "Leading the Learning Revolution"

  • A maior exigência de qualificação dos empregadores aliada à falta de mão-de-obra qualificada, torna o mercado educacional um campo fértil;
  • A tecnologia exerce grande impacto nesse mercado;
  • Estabelecer relacionamentos duradouros com a clientela é uma tática eficiente para lucrar no mercado educacional;
  • Os outros prestadores de serviços educacionais não são a única concorrência no mercado;
  • O produto educacional oferecido tem que ser valioso, de alta qualidade, único, memorável e marcante;
  • É preciso ter um equilíbrio entre as questões empresariais e educacionais do negócio;
  • Bom conteúdo é crucial para os processos informais e formais de ensino em um negócio educacional;
  • Os princípios para promover os produtos educacionais não são diferentes daqueles usados na promoção de outros produtos.

Faça o Download do Resumo do Livro "Leading the Learning Revolution" em PDF grátis

Está sem tempo para ler agora? Então faça o download gratuito do PDF e leia onde e quando quiser:

[Resumo do Livro] Leading the Learning Revolution - Jeff Cobb, PDF

A tecnologia

A tecnologia exerce grande impacto na educação. Tanto que já é usada como ferramenta de aprendizagem - exemplos: TED talks, webinários, diplomas obtidos inteiramente online e o uso de celulares e iPads para estudar.

As áreas impactadas pela tecnologia

A partir da perspectiva do mercado educacional, Jeff Cobb vê 5 áreas-chave que são e continuarão a ser impactadas pela tecnologia:

1. Acesso

A tecnologia ampliou o acesso das pessoas ao ensino. Barreiras como tempo, distância e, às vezes, custos foram derrubadas pela Internet, que permite acessar conteúdos e conhecimentos que antes eram obtidos só por cursos universitários, conferências ou horas na biblioteca.

2. Engajamento

Ao mesmo tempo em que estuda, o internauta pode participar do processo de aprendizagem ao contribuir com conteúdo e o diálogo.

Ele ainda pode criar os seus próprios produtos educacionais para distribuir ao mundo por meio de plataformas como YouTube, WordPress e Amazon CreateSpace.

3. Caos

Com tanto conteúdo disponível online, o estudante pode ficar rapidamente sobrecarregado com o fluxo de informações e escolhas que tem à sua disposição. Aí surge uma nova oportunidade no mercado: a necessidade de filtrar conteúdos.

4. Diversidade

A Internet permite a interação com uma variedade de pessoas e ideias que jamais poderíamos encontrar no passado. Mas na web também há o risco de achar pessoas e ideias com as quais concorda e limitar-se ao que soa familiar.

Isso resultará em uma vida e aprendizado que se resume apenas à própria perspectiva.

Para quem atua no mercado educacional, esse revés é uma oportunidade de agregar valor ao seu serviço, ao impulsionar a diversidade que a Internet possibilita e ajudar a conectar pessoas com diferentes pontos de vista.

5. Inteligência

Qualquer um pode usar uma ferramenta grátis ou de baixo custo para juntar fluxos de informação de diversas origens, identificar e filtrar de uma série de maneiras.

Há ainda os painéis pessoais de aprendizagem, em que é possível coletar e organizar diversos recursos.

Para o profissional que fornece o serviço de educação online, essas ferramentas permitem executar tarefas como avaliar, monitorar e participar do mercado educacional de uma maneira que jamais foi possível antes.

Preparando o negócio

Para faturar no mercado educacional, o livro "Leading the Learning Revolution" orienta a encontrar um nicho com as necessidades que você possa suprir e focar-se em agregar valor e criar relacionamentos fiéis e de longo prazo dentro do nicho.

As ferramentas necessárias

Para colocar isso em prática, a obra recomenda as seguintes estratégias:

  • Pesquisar;
  • Escutar;
  • Perguntar;
  • Testar.

Modelo de negócios

Após identificar os clientes em potencial e definir como agregar valor a eles, o próximo passo é determinar a abordagem usada na distribuição dos seus produtos e serviços.

Isso refere-se ao modelo de negócios, que precisa ter os seguintes componentes para ser bem-sucedido:

  1. Proposta de valor ao cliente;
  2. Os recursos necessários para entregar o valor proposto;
  3. As opções para gerar a renda necessária para cobrir esses recursos;
  4. A sustentabilidade do modelo em relação à concorrência e outras forças externas.

Ao detalhar esses pontos é preciso estar atento porque eles evoluíram ao longo do tempo devido às mudanças na tecnologia e nas expectativas do aluno.

A concorrência

Com o entendimento do mercado e o modelo de negócio em mãos chega a hora de lidar com a concorrência, que pode ser composta não só por outros prestadores de serviços educacionais, mas em grande parte pelo volume de informações encontradas nas mídias.

Posicionamento e diferenciação

É destacar-se claramente entre a concorrência. Como? Tenha algo valioso e de alta qualidade a oferecer, que seja único, memorável e marcante.

Algumas das estratégias que ajudam a se posicionar no mercado, destacar-se e chamar a atenção são:

  • Explorar seus pontos fortes;
  • Redefinir o mercado: mudar a ênfase ou os principais fatores de competição do seu nicho;
  • Estabelecer padrões no mercado;
  • Ir na contramão do mercado: forneça poucos produtos e serviços de alta qualidade;
  • Criar uma história que agregue valor ao seu produto/serviço e à sua marca;
  • Imitar estrategicamente - emprestar as inovações de outros para se posicionar dentro da sua área;
  • Adaptar criativamente ideias, ferramentas e princípios de outras áreas para desenvolver um posicionamento único.

Sobre objetivos

A solução é unir empresários e educadores em um mesmo propósito, para cumprir o objetivo de que o estudante aprenda aquilo que se inscreveu para aprender.

Objetivos de aprendizagem

Eles descrevem os resultados alcançados pelo aluno. Bons objetivos de aprendizagem são específicos sobre as ações que o aluno deve conseguir executar como resultado da sua experiência.

Essas ações devem poder ser verificadas pelo instrutor, empregador ou outra pessoa além do aluno.

Há 7 fatores cruciais para criar experiências educacionais de excelência:

  1. Posicionamento: o aluno deve saber o motivo pelo qual deve aprender aquilo;
  2. Poda: editar o conteúdo para ensinar os conceitos centrais, expressando-os do modo mais simples possível;
  3. Parcelas: dividir o conteúdo em segmentos pequenos;
  4. Estímulo dos sentidos: fazer isso de modo relevante e conectado à experiência de aprendizagem;
  5. Repetição: a exposição repetida a novos conceitos e habilidades faz parte do processo de aprendizagem do cérebro;
  6. Atividade: engajar o aluno ativamente com o conteúdo para que ele fique na memória de longo prazo;
  7. Compartilhamento de responsabilidade: promover a participação do aluno, fornecer vias para que ele molde os objetivos de aprendizagem.

Aprendizado informal

A rede social fez com que o aprendizado informal que sempre esteve na vida das pessoas ganhasse mais atenção.

O livro entende a rede social como uma plataforma de ensino e justifica isso ao citar o autor Dan Pink. Ele explica que o impacto mais profundo e duradouro da rede social pode ser no ensino, pois aprender é fundamentalmente um ato social.

Isso pode ser notado por meio de ferramentas como blogs, YouTube, Twitter, Facebook, LinkedIn, Google+ e Pinterest.

Influência no aprendizado informal

As vendas dos produtos educacionais passam pela influência, algo que é sustentado por meio do desenvolvimento de capital social. E sabe o que permite construir o capital social? O aprendizado informal.

Há 4 aspectos de controle de influência que são essenciais para o contexto do aprendizado informal:

Atenção

Isso pode ser obtido por meio de um bom copywriting, da habilidade de usar imagens efetivamente, de enquadrar ideias de modo incomum, de perguntas provocativas ou de deixar claro que tem informação valiosa para fornecer uma habilidade essencial.

Interesse

Ele surge da promessa originada na atenção. Mas para manter o interesse é preciso realmente ter algo de interesse e valor. Isso exige entender profundamente as necessidades do aluno.

Motivação

Conectar-se com os alunos nas suas redes informais traz mais chances de encontrá-los quando eles estão mais motivados e querem aprender.

Se o cliente em potencial achar o seu conteúdo ao pesquisar respostas para um problema no Google ou em uma rede social, é bem provável que ele volte a te procurar quando surgir outro problema.

Resultados

A chance oferecida pelas redes informais para ajudar os alunos a resolver seus problemas e mostrar o maior valor que você pode agregar, permite espalhar a evidência de que esse valor existe e influencia a decisão de outros.

Isso é chamado de "prova social", que é quando uma pessoa confia em dicas de outros para tomar decisões.

Conteúdo grátis

O mercado exige que você se mantenha como uma fonte reconhecida e visível, mesmo quando o aluno não está interagindo formalmente contigo.

Eis a vantagem de oferecer conteúdo grátis constantemente: você se torna parte do contexto educacional do público, mantém-se na mente do cliente e tem mais chances de ser escolhido ao surgir uma necessidade.

As 4 ferramentas

O livro traz 4 ferramentas úteis em relação à produção de conteúdo para manter-se por perto dos clientes.

  1. Ficar ligado: Manter-se informado para encontrar ideias e conteúdos que possa compartilhar. Assim, você pode achar coisas que interessam o seu público ou ter ideias para a produção de conteúdos futuros;
  2. Curadoria: A curadoria de conteúdo envolve selecionar entre toda a enxurrada de conteúdo que aparece na internet aquilo que realmente pode ser relevante para o seu público;
  3. Condução de pesquisa rápida: É preciso produzir algum conteúdo original ou no mínimo que seja originado por você. Uma ferramenta para isso é fazer pesquisas para achar informações negligenciadas, ideias esquecidas e novas perspectivas;
  4. Escrita: É base para a produção de qualquer tipo de conteúdo. Para a obra, escrever razoavelmente bem é a melhor habilidade para se ter no novo cenário da aprendizagem.

O que outros autores dizem a respeito?

Em "Inove ou Morra", de Luiz Guimarães, introduz uma proposta que busca modernizar e inovar empresas para adequá-las à era digital, focando principalmente nos clientes. A obra traz reflexões que ajudam a entender melhor as mudanças e as suas causas, além de afirmar que não é preciso ser uma startup para inovar.

No livro "De Zero a Um", o autor Peter Thiel dá a seguinte dica: quando se há concorrência, as empresas não possuem poder sobre o mercado. Por isso, elas precisam vender seus produtos pelo preço regulado pelo mercado ou serão massacradas pela concorrência. Já quando se detém o monopólio, quem dita as regras é você.

De acordo com os autores de "Innovatrix", Clemente de Nóbrega e Adriano Roberto de Lima, uma empresa torna-se sustentável, no sentido de automanutenção, quando consegue, de forma sistemática, inovar mais que seus concorrentes. Ao final, cabe sempre ao mercado validar ou não os esforços da empresa em inovar.

Certo, mas como posso aplicar isso na minha vida?

  • Atualize-se constantemente com a tecnologia, já que ela impacta tanto o mercado educacional;
  • Estabeleça relacionamentos de longo prazo com a clientela;
  • Coloque em prática as estratégias ensinadas pelo livro para conhecer a sua audiência e estabelecer um relacionamento com a mesma;
  • Monte o seu modelo de negócios sem esquecer-se do quatro pilares indicados pela obra;
  • Destaque-se em meio à concorrência, mas evite a competição em relação ao preço;
  • Defina os objetivos de aprendizagem do seu produto ou serviço;
  • Use a rede social como ferramenta de ensino;
  • Trabalhe os aspectos de controle de influência no aprendizado informal;
  • Produza conteúdo grátis para manter os clientes por perto.

Gostou desse resumo do livro "Leading the Learning Revolution"?

Gostou dos ensinamentos trazidos nesse resumo? Então deixe seu feedback nos comentários, sua opinião é muito importante para nós!

Casa queira ter acesso ao livro completo, basta clicar na imagem abaixo:

Book Leading the Learning Revolution

Adicionar aos favoritos
Ler mais tarde
Marcar como lido
Create Account
Cadastre-se gratuitamente

E receba semanalmente resumo dos maiores best sellers para ler e ouvir quando quiser!