O Ócio Criativo - Domenico De Masi

O Ócio Criativo - Domenico De Masi

É possível não fazer nada e ainda produzir? Conheça a importância do ócio para desenvolver e estimular a criatividade com o resumo do best-seller de Domenico De Masi.

Será que o mantra “faça o que você ama e nunca terá que trabalhar um dia na vida” é verdade ou só papo furado?

Domenico De Masi diz que a escola, instituição que está presente em mais de uma década de nossas vidas, nos forma para o trabalho e simultaneamente para a tristeza. Polêmico, não é mesmo?

Para o autor, o ser humano não deveria viver somente para o trabalho. O homem também deve viver para a aprendizagem, para os amigos, para o amor e para o lazer.

A obra “O Ócio Criativo” traz a visão do autor sobre a disseminação da idolatria do trabalho, da ideia de que o ser humano deve ser um workaholic e da competitividade do mercado.

Para isso, ele traz o conceito de “ócio criativo”: um tempo livre e necessário para a produção de ideias.

A resposta para a nossa pergunta inicial estará ao decorrer do nosso pocketbook. Por isso, se você deseja entender mais sobre esse tema, continue a leitura.

O livro “O Ócio Criativo”

O livro “O Ócio Criativo”, lançado pela primeira vez em 1995, foi publicado no Brasil em 31 de dezembro de 2004, pela Editora Sextante.

Ao longo de suas 352 páginas, divididas por 14 capítulos, o autor conversa sobre a importância de se aproveitar o tempo livre para estimular a criatividade e a inovação, além de outros temas da sociedade pós-industrial e globalização.

A obra foi baseada em uma conversa realizada pela jornalista Maria Serena Palieri e tem como objetivo realizar uma análise sociológica através de uma contextualização histórica da sociedade e reflexões sobre o modelo de trabalho.

Quem é o autor Domenico De Masi?

De Masi é um sociólogo italiano e professor emérito na Universidade La Sapienza que ganhou notoriedade pelo conceito de “ócio criativo”. Segundo o mesmo, o ócio é um fator que estimula a criatividade pessoal e não deve ser atrelado somente a uma prática negativa.

A carreira acadêmica do autor começou cedo. Aos 19 anos ele escrevia ensaios de sociologia urbana e do trabalho para a revista Nord e Sud e aos 22 lecionava na Universidade de Nápoles.

Domenico é a maior referência internacional em estudos sobre a sociologia do trabalho e um dos estudiosos estrangeiros com mais livros nas listas dos mais vendidos no mercado brasileiro, destacando-se, além de “O Ócio Criativo”, o "Desenvolvimento Sem Trabalho", "A Emoção e a Regra"  e "O Futuro do Trabalho".

Por que ler “O Ócio Criativo”?

O autor expôs sua concepção sobre a sociedade e o trabalho sobre um viés sociológico e acessível.

Sendo assim, a leitura é recomendada para os amantes da Sociologia, empreendedores, colaboradores que trabalham com a criatividade e para todas as pessoas que buscam planejar melhor o tempo e desenvolver o pensamento criativo e de inovação.

Principais insights do livro “O Ócio Criativo”

  • O ócio criativo é a união entre trabalho, estudo e lazer: com ele, o ser humano é mais feliz e se sente mais realizado e criativo naturalmente;
  • O trabalho não representa mais o papel dos indivíduos e da coletividade;
  • As empresas que implementam o ócio criativo faturam mais e tornam os colaboradores mais felizes;
  • Descansar é essencial para estimular a criatividade;
  • No futuro, os seres humanos trabalharão exclusivamente para a criatividade, visto que as máquinas darão mais tempo para o ócio; 
  • A sociedade atual é movida pelas ideias;
  • O trabalho não deve ser uma obrigação que oprime, mas sim uma prática estimulante.

O que é o ócio criativo?

O título da obra carrega uma expressão que causa uma certa estranheza ao ser lida pela primeira vez. Afinal, como o ócio pode ser criativo?

A palavra “ócio” não se refere à vagareza ou inação. O autor explicita as diferenças entre os termos “ócio alienante”, que entenderemos mais a seguir, e “ócio criativo”.

Ao contrário do que muitos pensam, produtividade eficiente significa uma melhor gestão do tempo e não uma obsessão pelo trabalho.

A expressão “ócio criativo”, elaborada por Domenico no início dos anos 90, é intrínseca ao ser humano e acontece com a convergência entre três elementos: trabalho, estudo e lazer.

Nas palavras do sociólogo, através do ócio criativo os seres humanos podem experimentar o valor gerado pelo trabalho, o conhecimento propiciado pelo estudo e a felicidade trazida pelo lazer.

Além disso, estar feliz aumenta a capacidade de produção do cérebro, o que torna as pessoas mais criativas e com sua performance melhorada.

O que é o ócio alienante?

O ócio alienante é aquele que vem à nossa cabeça quando pensamos na etimologia da palavra “ócio”.

Nele, passamos o tempo ocioso ou o período de folga sem produzir nada. É aquela preguiça que pode se transformar no temido comodismo!

Nesse sentido, de acordo com De Masi, o ócio alienante é o grande responsável pela sensação de inutilidade ou fracasso que ataca muitas pessoas inseridas no mercado de trabalho.

Por isso, quando for tirar um tempo para descansar, alie-se ao ócio criativo para que suas ideias se manifestem.

Como o ócio criativo funciona na prática?

Ao contrário do ócio alienante, o ócio criativo acontece simplesmente quando nos permitimos apreciar uma música, um filme no cinema ou um livro. São nas situações mais espontâneas que encontraremos ideias naturalmente.

Afinal, o ócio criativo não é alienante, mas sim libertador.

De Masi menciona durante o livro que o ser humano passa mais tempo ocioso do que trabalhando. Sendo assim, ele afirma que precisamos aproveitar esse momento livre para exercitarmos o nosso lado criativo.

Imagine a sua rotina de trabalho por um momento. Não adianta exigir que o seu cérebro se esforce totalmente enquanto você está em um escritório, pois ele já estará cansado e as ideias não surgirão facilmente.

Entretanto, é no período de felicidade e satisfação que as ideias vêm à tona e os pensamentos fluem.

Portanto, o autor recomenda que, ao invés de sacrificar o seu tempo de descanso e convivência social levando o trabalho para casa ou fazendo hora extra, você saiba separar os momentos de lazer e trabalho.

Além disso, é fundamental que você faça a repartição entre tempo livre e ócio criativo. Sendo assim, Domenico De Masi sugere uma divisão em três partes:

  1. Tempo para si mesmo, ao corpo e mente;
  2. Tempo exclusivo para família e amigos;
  3. Tempo para contribuir para a sua organização e função civil.

O ócio criativo é bom para todo mundo?

O homem que trabalha perde um tempo precioso.

Este famoso ditado espanhol estava flutuando no monitor de Domenico De Masi no momento da entrevista com a jornalista Maria Serena Palieri para a escrita do livro “O Ócio Criativo”.

Contudo, o autor diz que a frase não transmite a ideia de que trabalhar menos é uma filosofia de vida.

Segundo ele, o futuro pertence a quem souber se libertar da ideia tradicional de trabalho promovida pela sociedade industrial e for capaz de apostar em um sistema de atividades onde o trabalho se confundirá com o tempo livre, ou seja, com o ócio criativo.

Nessa situação, conseguimos responder ao questionamento “faça o que você ama e nunca terá que trabalhar um dia na vida”, não é verdade?

De certa forma, ser adepto ao ócio criativo fará com que as pessoas trabalhem com satisfação e essa prática irá se fundir ao prazer e amor pelo que se faz.

O autor fornece uma breve introdução e reflexão sobre o ócio criativo nas primeiras partes do livro, mas entenderemos a seguir o que é a sociedade pós-industrial e qual é a importância do ócio.

O que é a sociedade pós-industrial de Domenico De Masi?

Segundo o autor, os seres humanos estão há centenas de anos habituados a desempenhar funções repetitivas como se fossem máquinas e o exercício de atividades criativas demandam um enorme esforço mental.

Apesar disso, a criatividade é uma habilidade requisitada na sociedade atual.

Essa sociedade atual, definida por De Masi como “pós-industrial”, nasceu nos anos 50 com o advento da globalização, tecnologia e comunicação em massa.

Ela emergiu após o período industrial, época que isolou a estética e deu lugar às fábricas cinzas com colaboradores exaustos. Contudo, o escritor pontua que saímos desse período há algum tempo, mas os nossos escritórios possuem cores neutras, móveis e decorações hospitalares e exigem a maximização da produção.

Além disso, a sociedade pós-industrial é caracterizada pelo trabalho competitivo, seja ele físico ou intelectual, privilegia a produção de ideias e demanda um corpo quieto e uma mente agitada. Em outras palavras, ela exige o ócio criativo.

Contudo, para que os seres humanos consigam desfrutar do ócio criativo, De Masi afirma que eles devem se livrar dos hábitos adquiridos na sociedade industrial, como trabalhar por horas seguidas diariamente e dormir já pensando no dia seguinte e, simultaneamente, focar no aprendizado contínuo e na diversão.

Qual é a importância do ócio criativo?

Conversamos sobre o conceito de ócio criativo e como ele é demandado na sociedade atual, mas qual é a sua importância? Podemos destacar alguns pontos:

  • Mais flexibilidade de horário para a rotina de trabalho;
  • Aumento da eficiência e criatividade dos colaboradores;
  • Como o ócio criativo é a junção entre trabalho, estudo e lazer, todas essas partes contribuem para uma maior produtividade e satisfação;
  • Permite que as pessoas aproveitem o tempo livre, deem valor do trabalho e aprimorem o conhecimento;
  • O descanso aumentará o rendimento do trabalho. 

Além disso, Domenico De Masi deixa outra vantagem do ócio criativo registrada no livro: a possibilidade de converter o tédio em produtividade.

Segundo o sociólogo, para fazer isso você precisa preencher o seu tempo com ações escolhidas voluntariamente ao invés daquelas feitas por obrigação.

É a potencialização da mente que resultará em uma grande e criativa ideia. Afinal, você não aprende e produz se ficar preso ao ócio alienante.

Por fim, como mencionamos anteriormente, a sociedade é movida por ideias.

Sendo assim, uma das principais chaves para se tornar produtivo é o descanso, pois o cérebro precisa de um tempo para relaxar, organizar os aprendizados e também os pensamentos.

Mais livros sobre trabalho e produtividade

Em “Siga em Frente”, do autor Austin Kleon, você descobrirá como enfrentar os bloqueios criativos do dia a dia para manter a produção de ideias sempre ativa durante a sua jornada de trabalho.

Se você está cansado da rotina, a obra “Trabalhe 4 Horas por Semana”, do investidor e consultor Tim Ferriss, é a sua maior inspiração. O autor fornece dicas valiosas para otimizar o trabalho e ter liberdade financeira para que você possa viajar em qualquer época do ano.

Por fim, além de entender o conceito de ócio criativo e colocá-lo em prática, é fundamental que você saiba gerenciar o seu tempo. No best-seller A Arte de Fazer Acontecer, o autor David Allen desvenda o método GTD que consiste no aumento da produtividade e eficiência do seu trabalho.

Certo, então como colocar o ócio criativo em prática?

  • Entenda os limites do seu cérebro;
  • Mantenha o equilíbrio entre lazer, educação e trabalho;
  • Anote tudo, pois as ideias surgem quando menos esperamos: tenha sempre um caderninho por perto ou use o bloco de notas do celular;
  • Reserve um tempo para o lazer: estimule a sua criatividade ouvindo uma música, caminhando ao ar livre, lendo um livro ou assistindo a um filme;
  • Gerencie seu tempo: uma excelente técnica para a organização de tarefas é o método Pomodoro

Avalie o resumo de “O Ócio Criativo”

Muito obrigado por conferir mais este resumo da nossa plataforma! Esperamos que a leitura tenha sido proveitosa para seu crescimento pessoal e profissional.

Deixe sua opinião nos comentários, seu feedback é muito importante para nós!

Além disso, se você deseja conhecer na íntegra os pensamentos do autor, adquira a obra completa clicando na capa do livro abaixo:

O Ócio Criativo - Domenico De Masi

Adicionar aos favoritos
Ler mais tarde
Marcar como lido
Create Account
Cadastre-se gratuitamente

E receba semanalmente resumo dos maiores best sellers para ler e ouvir quando quiser!