A Arte de Pensar Claramente - Rolf Dobelli

A Arte de Pensar Claramente - Rolf Dobelli

O raciocínio humano é um quebra-cabeças constituído de equívocos e tomadas de decisões irracionais. Veja os mecanismos que induzem a mente humana ao erro e aprenda como se livrar dessas armadilhas comportamentais.

Para saber se você precisa ler esse resumo do livro "A Arte de Pensar Claramente", de Rolf Dobelli, responda:

  • Você já concordou com seu chefe quando ele estava visivelmente equivocado?;
  • Você já comprou determinado produto só porque "todo mundo" estava comprando?;
  • Você já deixou de estudar por achar que não tinha mais nada a aprender?;
  • Você já insistiu num erro só para não dar o braço a torcer?;
  • Você já fez pouco caso de opiniões só porque eram divergentes das suas?;
  • Você sabe qual é a probabilidade de uma aposta ser premiada na loteria? E mesmo assim continua jogando? Toda semana?

Se ao menos uma vez você disse 'sim', responda a esta última pergunta: você concorda que não tomou a mais racional das decisões?

Mas por que agimos assim? Como nos livrarmos dessas armadilhas? É sobre isso que falaremos na sequência. Continue a leitura.

Sobre o livro "A Arte de Pensar Claramente"

Em 2011, Rolf Dobelli reuniu uma coleção de artigos que vinha publicando em jornais da Alemanha e da Suíça, transformando-os no livro "A Arte de Pensar Claramente".

Trata-se de um estudo acerca de diversos padrões de comportamento que nós seres humanos adotamos, em flagrante contradição com a crença de que somos seres essencialmente racionais.

Em sua primeira edição brasileira, o livro apresentava ao longo de suas 216 páginas uma coleção de 52 artigos, cada um tratando de um padrão de comportamento específico. Essa edição, de capa alaranjada, era uma tradução do original alemão "Die kunst des klaren denkens".

Um ponto importante de cada um dos artigos é que o Dobelli não só descreve o comportamento irracional, mas também procura indicar formas de evitá-lo.

Sobre o autor Rolf Dobelli

Rolf Dobelli nasceu em Lucerna, Suíça. É escritor e empresário, fundador da GetAbstract, uma editora que publica resumos de livros e artigos. Em sua formação acadêmica, tem um MBA e um PhD em filosofia econômica.

Em 2011 publicou seu primeiro livro de não ficção, "Die kunst des klaren denkens", que é justamente este "A Arte de Pensar Claramente". O livro fez um sucesso imediato, tornando-se um best-seller em diversos países.

Em 2012, Dobelli publicou "Die kunst des klugen handelns", que poderia ser traduzido como "A Arte de Agir Claramente", mas que no Brasil foi incorporado à edição ampliada de "A Arte de Pensar Claramente".

Esse livro é indicado para quem?

O livro fala de comportamento humano e é, por isso, voltado para pessoas em busca de autoconhecimento.

Além disso, as situações descritas pelo autor aplicam-se ao dia a dia de pessoas comuns, nas mais diversas circunstâncias, não sendo, portanto, voltadas para algum público específico.

Por outro lado, ao tomar conhecimento do conteúdo, o leitor certamente identificará oportunidades de se aprimorar em questões profissionais, financeiras, pessoais, de relacionamentos, etc.

Ideias principais do livro "A Arte de Pensar Claramente"

"A Arte de Pensar Claramente" reúne conhecimentos e experiências em economia comportamental, psicologia e neurociência. Seu objetivo é demonstrar que:

  • O ser humano é menos racional do que imagina;
  • O cérebro humano não é infalível, comete erros de julgamento e faz escolhas erradas;
  • Com o (re)conhecimento desses vieses cognitivos, é possível encontrar formas de evitar ou combater os atos falhos que acabamos cometendo.

A edição original do livro reúne 52 artigos do autor sobre o tema. Na edição ampliada são 100 artigos. Para este resumo, seria impossível focar – ainda que de forma sintética – todos os artigos do livro, já que cada um trata de uma questão específica.

Assim, selecionamos alguns dos temas, apresentando-os brevemente, para dar ao leitor uma ideia sobre o tipo de explanação que ele vai encontrar quando se deparar com o texto na íntegra.

Vejamos então essa breve seleção de conteúdos do livro. Boa leitura!

Faça o Download do Resumo do Livro "A Arte de Pensar Claramente" em PDF grátis

Está sem tempo para ler agora? Então faça o download gratuito do PDF e leia onde e quando quiser:

[Resumo do Livro] A Arte de Pensar Claramente - Rolf Dobelli, PDF

Nem tudo é o que parece

Nossa mente pode ser induzida a fazer uma leitura errada de determinada situação. Assim ocorre com o viés do sobrevivente e com a ilusão do corpo de nadador.

O viés do sobrevivente

O chamado viés do sobrevivente consiste em tomarmos conhecimento apenas das histórias dos sobreviventes, isto é, daqueles que obtiveram sucesso, ignorando completamente o fato de que a grande maioria fracassou. Esse modo de ver as coisas nos leva a pensar que ser bem sucedido é a regra.

Para combater essa tendência, devemos agir com consciência, buscando conhecer as estatísticas de sucesso e fracasso e as histórias daqueles que fracassaram.

A ilusão do corpo de nadador

Outra forma de auto engano que cometemos é a da ilusão do corpo de nadador, que nos leva a formular relações de causa e efeito equivocadas.

Por exemplo, pessoas se matriculam em clubes e escolas de natação para ficarem com corpos mais atléticos, iguais aos dos grandes campeões.

Mas a prática da natação não deixa todos os nadadores com corpos mais atléticos. Os nadadores com corpos mais atléticos é que se destacam na prática da modalidade e se tornam campeões.

Existem inúmeras situações no dia a dia que nos induzem a formulações equivocadas desse tipo. E não há outra forma de lutar contra esse viés a não ser pela busca da racionalidade.

Quando o excesso de confiança atrapalha

Confiança em excesso tende a ser uma armadilha para as nossas ações. Isso pode ocorrer quando confiamos demais em nossas próprias capacidades (autoconfiança) ou quando depositamos toda a confiança nas pessoas à nossa volta (prova social).

A armadilha do excesso de autoconfiança

É muito comum que pessoas tenham uma noção superestimada de sua capacidade de fazer prognósticos. São pessoas que se auto colocam à margem das estatísticas, acreditando estarem acima dos padrões medianos de comportamento, principalmente quando tocam em temas que são sua especialidade.

Para neutralizar esse excesso de autoconfiança, é preciso adotar uma postura mais cética, acrescentando mesmo um pouco de pessimismo nas projeções.

A armadilha da prova social

Em outro extremo, há situações que levam as pessoas a seguirem as opiniões e decisões da maioria, por mais que falte racionalidade a esse posicionamento. É a chamada prova social. O marketing explora muito esse viés do comportamento humano, que está enraizado desde as origens da nossa espécie.

O ceticismo também é uma arma contra esse tipo de indução a que a mente se sujeita.

Ideias que insistimos em manter

Eis aqui duas diferentes armadilhas que podem nos levar a manter uma decisão ou uma ideia que simplesmente não se sustenta: a falácia do custo irrecuperável e o viés da confirmação.

A falácia do custo irrecuperável

Quando o cenário, as condições ou mesmo as motivações mudam, pode ocorrer de uma ação em curso deixar de fazer sentido. Mesmo assim, podemos ser levados a prosseguir com ela. Por quê?

Porque recorremos à falácia do custo irrecuperável, segundo a qual, uma vez que já investimos tempo e recursos até aqui, temos que ir até o fim. Trata-se de uma justificativa que adotamos para não admitir que "mudamos de ideia", isto é, que a nossa ideia anterior estava errada.

Em uma decisão racional, pouco importa o que ocorreu no passado. Vale a perspectiva do presente em relação ao futuro. É essa forma de pensar que devemos buscar para não sermos vítimas dessa armadilha.

O viés da confirmação

A partir de ideias concebidas (por nós mesmos ou por terceiros), se começamos a nos alimentar apenas de argumentos que as confirmam, ignorando ou rechaçando categoricamente argumentos contrários, estamos apelando para o viés da confirmação.

Não é difícil perceber que logo nos apegaremos a construções desprovidas de lógica, apenas para confirmarmos aquela ideia original.

Agir por gratidão ou por medo

Duas forças que também podem nos tirar do caminho da racionalidade: a gratidão e o medo. A gratidão pode nos tornar prisioneiros da reciprocidade, enquanto o medo tende a se manifestar através do viés da autoridade.

A reciprocidade

Esse é mais um comportamento enraizado no ser humano e que é muito explorado pelo marketing.

Temos uma tendência a sentirmos culpa quando estamos em débito com alguém. Sempre que uma pessoa nos faz um favor, nós nos sentimos na obrigação de retribuir.

Isso pode nos levar a fazer coisas que objetivamente não faríamos, simplesmente para não termos que carregar o peso de estar em débito com quem quer que seja.

A solução para fugir desse círculo está em recusar favores não solicitados.

O viés da autoridade

Sempre fomos educados no sentido de respeitar hierarquias e autoridades e isso tem sido essencial para a vida organizada em sociedade.

Entretanto, autoridades também cometem erros e enganos. Nesses momentos, sempre há aqueles que, por temor, continuam a obedecer-lhes cegamente.

É preciso desenvolver um pensamento crítico e não se colocar em posição de inferioridade quando ideias equivocadas forem impostas apenas pelo apelo à condição de autoridade.

Outras armadilhas do pensamento

Dezenas de outras armadilhas do pensamento são apresentadas no livro, tais como:

  • O efeito de contraste, quando fazemos comparações utilizando referências que nos levam a conclusões distorcidas;
  • O viés da disponibilidade, que nos leva a tirar conclusões a partir de uma visão parcial da realidade;
  • O viés de história, em que tendemos a interpretar fatos passados como uma sequência linear e lógica, quando na realidade eles ocorreram em um cenário bem mais complexo;
  • O viés retrospectivo, que nos leva à falsa sensação de que os acontecimentos estão sempre a confirmar nossas previsões;
  • A ilusão de controle, que nos leva a superestimar a nossa capacidade de influir em acontecimentos futuros;
  • A falácia do jogador, que nos leva a prever as probabilidades de algo ocorrer com base nas estatísticas passadas, quando na realidade não existe qualquer relação entre eventos passados e eventos futuros;
  • A falsa causalidade, quando atribuímos uma relação de causa e efeito entre dois fenômenos, sem que isto seja verdadeiro;

Todas elas apenas confirmam que, em inúmeras situações, agimos de forma abertamente irracional.

O que outros autores dizem a respeito?

Em "Factfulness", dos autores Hans Rosling, Ola Rosling e Anna Rosling Rönnlund, você vai perceber como generalizando situações acabamos nos distanciando do pensamento claro e racional. De acordo com o livro, temos uma tendência de sempre notar só o lado negativo das coisas, e a mídia tem um forte papel nisso.

Para Daniel Goleman, autor de "Inteligência Emocional", emoções fortes podem interferir na atenção e em todos os aspectos do pensamento claro. Em vez de tentar eliminar seus sentimentos, as pessoas devem se esforçar para encontrar um inteligente equilíbrio entre razão e emoção.

Por fim, no livro "Geração de Valor", Flávio Augusto diz que pensamentos vitoriosos possuem mais chances de gerarem resultados positivos. Enquanto que, pensamentos triviais geram apenas resultados triviais.

Certo, mas como posso aplicar isso na minha vida?

O próprio autor sugere que a primeira medida para corrigirmos esses tipos de falhas está em tomarmos conhecimento deles.

Assim, uma sugestão de ação prática para o dia a dia é:

  • Faça uma pesquisa rápida no livro e identifique, entre as dezenas de armadilhas do pensamento apresentadas, aquela que tem maior impacto para você;
  • Estude as considerações do autor a respeito, conforme os exemplos apresentados aqui;
  • Procure aplicar as recomendações sugeridas, até que você tenha assimilado o modo de evitar a repetição do erro;
  • Volte ao livro, identifique uma próxima armadilha e repita os procedimentos.

É bem provável que você continue a cometer muitos erros, mas algum progresso certamente será alcançado.

Gostou desse resumo do livro "A Arte de Pensar Claramente"?

E então, você se identificou com algumas das situações apresentadas? Acha possível adotar comportamentos que neutralizem esses atos irracionais que praticamos de forma tão involuntária? Deixe seu feedback nos comentários!

Para ter acesso ao conteúdo completo do livro, você pode comprá-lo clicando na imagem abaixo:

Livro A Arte de Pensar Claramente - Edição Ampliada

Adicionar aos favoritos
Ler mais tarde
Marcar como lido
Create Account
Cadastre-se gratuitamente

E receba semanalmente resumo dos maiores best sellers para ler e ouvir quando quiser!