O Andar do Bêbado - Leonard Mlodinow

O Andar do Bêbado - Leonard Mlodinow

Entenda como o acaso está mais presente em nossas vidas do que imaginamos, além de ser capaz de influenciar nos caminhos que seguimos!

Você deve estar se perguntando qual a relação da maneira como alguém embriagado caminha com o assunto deste livro. "O Andar do Bêbado", na verdade, é uma analogia referente ao movimento aleatório, que pode, também, adequar-se à uma metáfora para a nossa vida.

O autor, Leonard Mlodinow, afirma que "a vida é ao mesmo tempo difícil de prever e difícil de interpretar", principalmente por ser conduzida para diferentes caminhos e por diversos eventos aleatórios.

Sendo assim, o objetivo principal dessa obra é tratar sobre o poder de influência do acaso na nossa vida e em todo o mundo ao nosso redor, nos permitindo observar e interpretar os acontecimentos por um ângulo diferente.

Sobre o livro "O Andar do Bêbado"

O livro é chamado, em sua versão original, de "The Drunkard's Walk: How Randomness Rules Our Lives". A versão da obra em português é dividida em 10 capítulos e 270 páginas.

"O Andar de Bêbado: Como o acaso determina nossas vidas" é um best-seller e um livro notável do The New York Times, além de ser classificado como um dos 10 melhores livros de ciência pela Amazon e possuir grande receptividade pela comunidade científica.

A obra aborda, de maneira didática e abrangente, sobre como somos influenciados pelo acaso. Através de uma visão científica e matemática, Leonard mostra como perceber os momentos aleatórios para lidar melhor com eles.

Sobre o autor Leonard Mlodinow

O autor, Leonard Mlodinow, possui PhD em física e, atualmente, também escreve para o The New York Times, além de seguir com a escrita de livros de divulgação científica.

Também foi roteirista da aclamada série de ficção científica "Jornada nas Estrelas".

Leonard participou de colaborações com Stephen Hawking na escrita dos livros "O Grande Projeto" e "Uma breve história do tempo: o clássico da ciência tornou-se mais acessível" em tradução livre, e recebeu elogios de Stephen pela obra que falaremos neste resumo.

Esse livro é indicado para quem?

Esta obra é indicada para pessoas com maior interesse sobre a aplicação de estatística e probabilidade nas atividades humanas e sociais, como esportes, medicina, investimentos, artes, natureza, e muitas outras áreas.

Segundo o autor, Leonard Mlodinow, é impossível ler este livro sem compreender e observar melhor a influência de acontecimentos aleatórios em nossas vidas, em todos os âmbitos.

Ideias principais do livro "O Andar do Bêbado"

  • As leis da probabilidade estão presentes em todos os sistemas, sejam humanos ou naturais;
  • Temos a tendência de subestimar os efeitos da aleatoriedade, o que não impede que eles aconteçam;
  • Nem sempre alcançamos o sucesso na primeira tentativa. Aqueles que alcançam seus objetivos são os que não desistiram logo na primeira vez;
  • Ter consciência sobre a presença do acaso pode fazer com que nos beneficiemos dele;
  • Muitas vezes o sucesso ou o fracasso não são determinados apenas pelo nível de dedicação que depositamos em um projeto.

Faça o Download do Resumo do Livro "O Andar do Bêbado" em PDF grátis

Está sem tempo para ler agora? Então faça o download gratuito do PDF e leia onde e quando quiser:

[Resumo do Livro] O Andar do Bêbado - Leonard Mlodinow, PDF

As leis da probabilidade

Para Leonard, a probabilidade pode ser baseada, de uma maneira geral, em três leis simples, que, quando aplicadas de maneira correta, podem auxiliar na compreensão do mundo cotidiano e da natureza.

Mesmo que inconscientemente, as leis da probabilidade são frequentemente aplicadas às situações de tomada de decisão:

  1. Primeira Lei da Probabilidade: a probabilidade de que dois eventos ocorram nunca pode ser maior que a probabilidade de que cada evento ocorra individualmente;
  2. Segunda Lei da Probabilidade: se dois eventos possíveis, A e B, forem independentes, a probabilidade de que A e B ocorram é igual ao produto de suas probabilidades individuais;
  3. Terceira Lei da Probabilidade: se um evento pode ter diferentes resultados possíveis, A, B, C e assim por diante, a possibilidade de que A ou B ocorram é igual à soma das probabilidades individuais de A e B, e a soma das probabilidades de todos os resultados possíveis é igual a 1 (ou seja, 100%).

Qual a diferença entre probabilidade e estatística?

É comum a dúvida sobre a diferença entre probabilidade e estatística e, com exemplos mais palpáveis, o autor declara que a distinção entre elas é que, são ciências inversas e, ainda assim, complementares.

Enquanto a probabilidade busca entender e prever os fenômenos com base em possibilidades pré determinadas, o objetivo da estatística é compreender tais probabilidades a partir das informações verificadas.

Por que subestimamos os efeitos da aleatoriedade?

O ser humano possui a predisposição de não acreditar naquilo que não compreende. A aleatoriedade, por meio da probabilidade e estatística, pode ser, muitas vezes, uma das ações subestimadas devido à sua aparente complexidade.

Outro fator que faz os acasos serem subestimados é que, muitas vezes, eventos aleatórios podem se parecer com eventos não aleatórios. Mas como isso seria possível? Na verdade, a explicação está relacionada à quantidade de vezes que observamos certas coisas acontecerem.

Viés da Disponibilidade

Você já sentiu como se sempre escolhesse a fila do mercado mais lenta? Ou que, durante um engarrafamento, mesmo quando você muda de pista, a oposta está sempre andando mais rápido? Vou lhe contar uma coisa: isso não é azar, é o viés da disponibilidade.

Este termo é fonte de muitas pesquisas psicológicas e, nada mais é do que a importância injusta que damos às memórias mais vívidas (ou disponíveis). Sendo assim, este viés é capaz de distorcer gradativamente a percepção que possuímos sobre o funcionamento de algumas coisas.

Ele faz com que demos importância para coisas que nos impactam mais do que para coisas que acontecem com frequência.

Sendo assim, a probabilidade de você escolher a fila mais lenta é a mesma para todas elas, porém, damos mais importância para a fila quando ela não se comporta como gostaríamos, o que faz parecer que sempre escolhemos "errada". Na verdade, você apenas não prestou atenção nas vezes em que esteve em uma fila rápida.

O que é autoengano?

O que significa autoengano para você? Para o autor, autoengano está longe de ser mentir para si mesmo, é, na verdade, o ato de acreditar no que não é real, mesmo quando não sabemos disso.

Autoengano está relacionado com a forma como reagimos a processos que acarretam em julgamentos e decisões falhos, ou, pelo menos, a situações que nos geram dúvidas.

Está também diretamente ligado ao realismo ingênuo, que o autor define como o preceito que as pessoas buscam acreditar, em que as coisas são exatamente aquilo que parecem ser. E, nós sabemos que geralmente não é exatamente assim, não é mesmo?

A mente humana é determinada a encontrar uma razão específica para todos os acontecimentos, dessa forma, tem dificuldade de compreender e aceitar a influência de condições aleatórias.

Sendo assim, é interessante nos questionar qual a real contribuição que o acaso tem em relação às circunstâncias da vida que nos encontramos atualmente. Se você parar para pensar, com certeza existe algum acontecimento inesperado que mudou o rumo dos seus planos de maneira grandiosa.

Como tomamos decisões diante da incerteza?

Leonard Mlodinow afirma que, a princípio, a capacidade de realizar avaliações e tomar decisões inteligentes diante de uma incerteza é uma habilidade rara. Apesar disso, o autor afirma que é possível aperfeiçoá-la com a experiência.

Fatores evolutivos, experiências pessoais, conhecimento e sentimentos, são alguns dos aspectos complexos que influenciam a análise das situações humanas.

Cientificamente, é possível que estruturas cerebrais diferentes cheguem a conclusões diferentes, onde disputam entre si até que uma delas seja predominante, demonstrando, assim, a complexidade da incerteza humana.

Além da superfície da dedicação

Existe um grande caminho de aleatoriedade e imprecisão entre o início e desenvolvimento de um projeto de sucesso até o seu sucesso em si.

Muitos daqueles que alcançaram o sucesso econômico, familiar, nos negócios, ou em outros interesses, foram impactados por efeitos aleatórios com consequências não propositais.

Segundo o autor, os efeitos do acaso são mais a regra do que a exceção, apenas passam despercebidos, e "influências aleatórias são tão importantes quanto nossas qualidades e ações".

Isso não quer dizer que pessoas de sucesso não sejam merecedoras dele, Leonard apenas destaca que existe uma influência além da dedicação, a qual não se pode mensurar ou prever.

Erros de Julgamento

Atribuir o triunfo das pessoas proporcionalmente a sua riqueza ou fama, por exemplo, é um erro de julgamento. Isso porque é impossível que possamos observar o potencial individual das pessoas, vemos apenas os seus resultados.

Você já deve ter ouvido histórias sobre cientistas, escritores e poetas, por exemplo, que tiveram seu trabalho reconhecido somente após a morte. Isso quer dizer que não eram brilhantes em vida? Não! Apenas não tiveram seus resultados expostos e afirmados antes.

Muitas pessoas tão talentosas quanto aquelas que hoje reconhecemos como sinônimo de talento ainda não tiveram a oportunidade de serem reconhecidas, mas, baseada na probabilidade, é importante lembrar: quanto mais tentamos, mais chances temos de conseguir!

Intuição versus Ciência

A princípio, sabemos que a ciência deveria enfatizar cálculos exatos, experiências e resultados sobre o funcionamento das coisas acima da intuição dos próprios cientistas, certo? Então, qual seria a diferença para apostas, esportes e negócios, por exemplo?

Esperança Matemática

A esperança matemática é um conceito considerado muito importante em todos os processos de tomada de decisão. Nada mais é do que balancear os benefícios e malefícios de cada escolha antes de decidir. Com certeza você já aplicou a esperança matemática na sua vida, mesmo sem ter ideia de como se chamava.

O viés da confirmação

Assim como o viés da disponibilidade, o viés da confirmação pode ser considerado, mais uma vez, a nossa mente querendo nos pregar uma peça.

Este viés, nada mais é do que, inconscientemente, reafirmarmos aquilo que já está na nossa mente, mesmo que tenhamos evidências opostas na mesma proporção. Sabe quando você pede opinião das pessoas e, no fim das contas, decide o que você mesmo já tinha vontade de fazer? O viés da confirmação está aí!

Isso pode ser prejudicial, pois modifica nossa percepção sobre os fatos. Por exemplo: alguém pessimista, observa somente os pontos ruins ou possíveis falhas, não apreciando a parte boa. Por outro lado, alguém otimista pode apenas desfrutar da situação, sem considerar situações prejudiciais, nem estar preparada para elas.

Pessoas que não desistem

Sempre ouvimos histórias de superação de pessoas renomadas sobre como, na grande maioria das vezes, receberam muitos "nãos" até conquistarem o que era desejado.

Em termos matemáticos, a probabilidade de você acertar uma cesta de basquete vai variar conforme a quantidade de tentativas que existirem. Você pode ser horrível em basquete, mas se tentar marcar o ponto vezes o suficiente, em algum momento, mesmo por acaso, você vai conseguir!

Quanto mais tentamos, mais chances temos de conseguir, e, ainda por cima, no caminho vamos ficando cada vez melhores. Isso significa que, na próxima vez, vamos precisar de menos tentativas, e na próxima, menos ainda!

Assim é na nossa vida e com os nossos objetivos. O que pessoas de sucesso têm em comum? Elas não desistem na primeira tentativa.

O que outros autores dizem a respeito?

Em "Sapiens: Uma Breve História da Humanidade", se discute sobre como o desenvolvimento intelectual possibilitou a evolução organizacional e tecnológica. O autor, Yuval Noah Harari, acredita, assim como Leonard, que as capacidades de análise e raciocínio humanas podem modificar a forma como tudo funciona.

Duncan J. Watts, autor de "Tudo é Óbvio: Desde que você saiba a resposta" afirma que somos influenciados predominantemente pelo senso comum, muitas vezes, acima da própria ciência e matemática comprovadas. Destaca, então, a importância de cultivarmos um senso incomum, para vermos as coisas como realmente são.

"Rápido e Devagar", de Daniel Kahneman, trata do funcionamento da mente humana perante a necessidade de tomada de decisão. Nesta obra é possível compreender e lidar com essas situações de maneira mais inteligente.

Certo, mas como posso aplicar isso na minha vida?

  • Tente estar imune a erros de intuição. É importante considerar as informações racionais além dos sentimentos;
  • Lembre de como os erros de julgamento funcionam, dê mais importância para os indicadores diretos do que para conquistas passadas;
  • Não torne a presença do acaso algo ruim em sua vida, esteja consciente sobre ele e faça o melhor possível com as opções que lhe forem disponibilizadas;
  • Preste atenção ao viés da disponibilidade: isso fará você ver que as coisas não são exatamente como a sua mente pensa que é;
  • Não desista na primeira tentativa! A probabilidade de sucesso está ao seu lado.

Gostou desse resumo do livro "O Andar do Bêbado"?

Você tinha ideia da influência da aleatoriedade em tantos sentidos e em como aplicamos probabilidade mesmo que inconscientemente?

Que tal comentar sobre um acontecimento aleatório na sua vida que mudou o rumo como algumas coisas estavam seguindo?

Aproveite para deixar o seu feedback sobre o resumo, e, se quiser adquirir a versão completa do livro "O Andar do Bêbado", clique na imagem abaixo:

Livro 'O Andar do Bêbado'

Adicionar aos favoritos
Ler mais tarde
Marcar como lido
Create Account
Cadastre-se gratuitamente

E receba semanalmente resumo dos maiores best sellers para ler e ouvir quando quiser!