Livro O Estilo Startup - Eric Ries

O Estilo Startup - Eric Ries

Entenda como as startups de garagem surgem e dominam o mercado, enquanto as empresas grandes e tradicionais estão desaparecendo. Construa você mesmo sua própria startup de sucesso aplicando conceitos inovadores.

Você gostaria de saber quais as boas práticas das startups e como você pode aplicá-las em qualquer empresa para conseguir sobreviver na era da inovação? Se sim, então o livro “O Estilo Startup, escrito pelo autor Eric Ries, foi feito para você.

Ele oferece princípios do empreendedorismo para que a sua startup tenha um crescimento sustentável e domine mercados, explicando a importância do mindset inovador em todos os tipos de negócios.

Quer saber mais? Então continue a leitura deste PocketBook e conheça o gerenciamento empreendedor!

O livro “O Estilo Startup” 

O livro “O Estilo Startup” (2018) é a tradução da obra “The Startup Way” (em inglês), escrita por Eric Ries, mesmo autor do best-seller “A “A Startup Enxuta” (2011), cujo título original é “Lean Startup”.

Para um melhor entendimento desta obra, aconselhamos a leitura do primeiro resumo do livro “A Startup Enxuta”, pois ele demonstra quais são os conceitos principais de uma startup que se desenvolve nas ideias de Lean Manufacturing.

Já no livro em questão, demonstra-se a aplicação dessas ideias não somente em uma empresa nova de tecnologia e software, como acontece no primeiro, mas também em empresas centenárias que desenvolvem produtos.

Quem é Eric Ries?

Eric Ries é um empreendedor do Vale do Silício, criador do movimento Lean Startup e autor do best-seller “A Startup Enxuta”, que foi traduzido para mais de trinta idiomas e vendeu mais de um milhão de exemplares.

Ele busca direcionar as startups ao desenvolver um modelo de negócios estruturado a partir da metodologia de Lean Manufacturing.Eric já fundou uma série de startups, incluindo a IMVU, onde trabalhou como diretor-chefe de tecnologia.

Ele também é consultor de negócios e estratégias de produto para startups de grandes empresas, como a GE. Devido à experiência nessa instituição, surgiu esse livro que traz, como tema central, o desenvolvimento de práticas inovadoras em empresas consolidadas.

Quem deve ler “O Estilo Startuo”?

O livro “O Estilo Startup” traz um conteúdo indicado para as pessoas que desejam entender como a metodologia da startup enxuta pode ser aplicada em todos os tipos de empresas.

Dessa forma, se você é ou quer ser fundador, ou ainda, se você é ou deseja ser funcionário de uma empresa, a leitura desse livro te capacitará para fazer com que o seu local de trabalho esteja sempre inovando por meio das práticas das startups.

O autor Eric Ries faz um alerta que, apesar das startups não gostarem de burocracia, elas tendem a se tornarem mais burocráticas com o tão desejado crescimento exponencial. Então, se você está envolvido com uma startup, esse livro também é indicado, pois vai te mostrar as ferramentas necessárias para evitar que o engessamento ocorra.

Principais ensinamentos do livro “O Estilo Startup” 

O autor Eric Ries tem por objetivo demonstrar como as práticas de startups podem ser aplicadas em todos os tipos de empresa. Alguns aspectos que ele aborda são:

  • Explicação breve do que é abordado no livro “A Startup Enxuta”;
  • As diferentes práticas das empresas tradicionais e modernas;
  • A aplicação dessas práticas em empresas tradicionais;
  • Inovação;
  • O Estilo Startup.

E aí, preparado para descobrir qual é esse estilo startup?

E aí, preparado para descobrir qual é esse estilo startup?

Faça o Download do Resumo do Livro "O Estilo Startup" em PDF grátis

Está sem tempo para ler agora? Então faça o download gratuito do PDF e leia onde e quando quiser:

[Resumo do Livro] O Estilo Startup - Eric Ries, PDF

O que devo saber sobre o livro anterior, “A Startup Enxuta”?

Antes de tudo, precisamos retomar os conceitos de Startup e de Startup Enxuta. O autor Eric Ries define uma startup como:

"Um grupo formado de pessoas com uma visão de transformar o mundo enquanto estão inseridos em um ambiente de extrema incerteza."

A Lean Manufacturing, aplicada na Toyota, com o processo de inovação e criatividade de uma Startup é, na visão do autor, a união das práticas de Startup Enxuta. Isso acontece para otimizar o processo de inovação e diminuir os riscos, caso seja adotada uma estratégia errada.

No seu conceito revolucionário de Startup Enxuta para desenvolver um processo inovador e mais dinâmico, existem boas práticas, como:

  • Optar por dar um “salto de fé”, ou seja, definir alguns requisitos básicos e essenciais para começar a validar uma ideia. Isso porque, sem essa validação, não há como desenvolver o produto/serviço;
  • Após a construção do MVP, é necessário medir seus resultados dos adotantes iniciais, dos feedbacks e da eficiência do seu produto ou serviço;
  • Após a medição, é necessário optar por permanecer na ideia e otimizá-la ou desenvolver um novo produto ou serviço. Se escolher a segunda opção, você estará pivotando; Construir de um Minimum Viable Product (MVP) após o “salto de fé”: 
  1. O que é isso? É um produto ou serviço com as características mínimas necessárias do produto final;
  2. Por que fazer isso? O autor opta por desenvolver um MVP, dentre outras coisas, devido ao custo reduzido de desenvolvimento e a redução no tempo de elaboração de um projeto;
  3. Por que isso é primordial? Um dos conceitos de Startup Enxuta é a validação constante com o cliente. Dessa forma, se você busca desenvolver algo muito elaborado, seu cronograma ficará extenso. Sendo assim, é melhor você desenvolver algo mais básico e ir construindo novas funcionalidades de acordo com os feedbacks do seu cliente;

Essa metodologia descrita nos tópicos acima formam o ciclo “Construir-Medir-Aprender” que existe para facilitar e otimizar o processo de inovação, além de reduzir o impacto, caso você tenha que pivotar.

A inovação ocorre de maneira mais eficaz e natural com o desenvolvimento mais rápido desse ciclo.

Qual a diferença entre empresas tradicionais e modernas?

Nessa etapa, vamos citar as principais diferenças da forma de gerenciamento, tipos de projetos e características voltadas para inovação dos dois diferentes tipos de empresas.

Empresas muito tradicionais

De acordo com o livro “O Estilo Startup”, essas empresas têm algumas práticas que são características:

  • Buscam trabalhar em áreas isoladas e quase sem interação;
  • Têm tendência em executar projetos extensos, caros e lentos;
  • Há muita presença de “gerentes intermediários”, que não têm poder de decisão, o que trava o processo;
  • Os funcionários, geralmente, estão participando de várias atividades, processos e entregas;
  • É um lugar onde a maioria dos funcionários dividem sua atenção em diversos projetos simultâneos;
  • Falhar não é uma opção.

Empresas modernas

Por outro lado, as empresas modernas têm práticas mais dinâmicas e inovadoras, são elas:

  • Buscam desenvolver em seus funcionários um mindset de inovação constante;
  • Permitem que seus funcionários sejam empreendedores e optam por desenvolver uma startup interna, na qual os colaboradores realizam um projeto por vez;
  • As equipes são multidisciplinares, ou seja, pessoas de várias áreas com o objetivo de desenvolver um projeto que busca entregar a melhor experiência para os consumidores;
  • Tem uma ideia de sonhar grande, começar pequeno e escalar rápido e exponencialmente por meio da execução de projetos dinâmicos;
  • Permitem e recompensam o erro que traz alguma modificação positiva.

Para o autor Eric Ries, as práticas das empresas modernas são responsáveis pela quantidade de inovações que elas promovem.

Os princípios do Estilo Startup

  1. Inovação contínua: tem como objetivo o crescimento a longo prazo. Busca desenvolver criatividade, talento e por meio de avanços dinâmicos e recorrentes;
  2. Startup como unidade atômica de trabalho: com o objetivo de desenvolver ciclos contínuos de conhecimento e inovação, as empresas devem criar startups internas para que possam experimentar e desenvolver novas experiências;
  3. Área funcional ausente: a partir do momento que startups são adicionadas na organização, é importante ressaltar que elas requerem uma estrutura organizacional diferente e uma forma de gerenciamento que confunda as técnicas tradicionais;
  4. A segunda fundação: tenha em mente que esse tipo de mudança tão profunda na organização é semelhante a sensação de fundar a empresa de novo;
  5. Transformação contínua: esse princípio requer o desenvolvimento de uma nova capacidade organizacional que busca transformar, de forma constante, algumas práticas da empresa com o objetivo de alcançar a inovação.

Pontos de atenção

Eric Ries chama atenção para o fato de que, ao realizar mudanças como essas, é importante ter consciência de que:

  • Não é necessário reorganizar todas as equipes em torno do princípio das startups;
  • Os funcionários não mudam seus comportamentos de forma repentina;
  • O objetivo é fazer com que as equipes de startups trabalhem com tranquilidade e segurança para inovarem. Isso permite que os funcionários ajam de forma empreendedora, o que possibilita o surgimento uma nova cultura;
  • É extremamente importante que todos os gestores da empresa dominem as ferramentas de gestão empreendedora e saibam o real motivo pelo qual algumas pessoas estão trabalhando de forma diferente;
  • As pessoas dedicadas à startup interna devem ser cobradas de acordo com os novos padrões.

Como aplicar “O Estilo Startup” em uma empresa centenária?

No livro “O Estilo Startup”, o autor apresenta como aplicou seus princípios de startup em uma empresa centenária americana, a GE, que tem histórico de ser inovadora.

Para o CEO da mesma, a organização deveria começar a aplicar processos mais modernos, além de desenvolver uma cultura de inovação contínua, como as startups faziam.

Segundo Eric, os princípios inovadores das startups podem ser aplicados em qualquer empresa e auxiliam na modernização das mais tradicionais.

Dessa forma, o autor participou da aplicação desses princípios inovadores em um projeto de construção de um motor a diesel e gás natural dentro da GE. Tal projeto, seguindo as práticas normais, levaria 5 anos para ficar pronto e com um elevado custo.

Mas, com a aplicação dos fundamentos das startups, o motor, projetado em um único molde e com menores dimensões, foi desenvolvido em 6 meses, com um custo menor e uma melhor validação da ideia e da experiência do usuário.

O sucesso desse projeto fez com que as boas práticas fossem estendidas para toda GE e levou à criação de um projeto interno, o Fast Works.

E aí, entendeu como funciona a prática das startups? Veja que não é preciso criar algo muito elaborado com um cronograma extenso e altos custos.

Você pode criar algo mais simples, com menor custo, em menos tempo e contar com a opinião de quem mais importa, o cliente, para só depois investir na criação do produto ou serviço final. Essa é a prática do Mínimo Produto Viável (MVP).

Desafios

Durante a aplicação desse projeto, alguns desafios que podem ser enfrentados. São eles:

  • A cultura de que o erro não é comum em empresas tradicionais. Dessa forma, aceitar a questão da pivotagem é uma quebra de paradigma muito grande, pois força a concepção de que o erro faz parte do processo;
  • As empresas tradicionais têm aversão a projetos de riscos, o que limita a inovação.

Benefícios

Segundo o livro “O Estilo Startup”, com a possibilidade de todo colaborador ser um empreendedor, é mais fácil reter pessoas boas dentro da sua empresa, além dessas pessoas serem responsáveis por desenvolver um mindset de inovação.

A inovação

O autor Eric Ries, devido ao seu contato frequente tanto com startups, quanto com empresas tradicionais, percebeu que as perguntas dos CEO’s dos dois nichos geralmente são as mesmas:

  • Como posso estimular os funcionários a pensarem mais como empreendedores?;
  • Como inovar em novos produtos sem perder os clientes atuais?;
  • Como posso cobrar os empreendedores que trabalham pra mim sem colocar em risco meu negócio?

Dessa forma, a inovação se torna essencial para ambas empresas. Para isso, o autor sugere que as empresas desenvolvam um departamento de inovação.

A sugestão acontece para que exista um responsável pela área de inovação. Dessa forma será possível ser promovido, além de proporcionar um ambiente propício ao risco e desenvolvimento de novas ideias.

Quer saber se sua empresa está no caminho certo? Responda a 2 perguntas:

  1. Quem, dentro da sua empresa, é responsável por desenvolver startups internas?;
  2. Quem, dentro da sua empresa, é responsável por estimular um mindset inovador e empreendedor em todos os departamentos?

Saiba que, se a resposta para ambas as perguntas for “todo mundo”, ninguém faz e sua empresa está mais distante da inovação.

 Implementando startups internas 

Como vem sendo dito, a implementação dessas instituições dentro de uma empresa é importante. Mas o que você deve fazer?

  • Criar espaços para os experimentos;
  • Criar metas para eles operarem de forma autônoma;
  • Desenvolver as qualidades empreendedoras dos seus funcionários;
  • Como colocar a pessoa certa na equipe certa;
  • Criar novos modelos de incentivo e plano de carreira.

Como fazer com que as empresas grandes inovem?

O autor Eric Ries sugere em seu livro, “O Estilo Startup”, que isso seja feito da seguinte forma:

  • É necessário que a empresa desenvolva práticas administrativas e empreendedoras com objetivo de espalhar o mindset inovador na organização;
  • Implementar as mudanças propostas de forma prática e dinâmica. Além disso, é preciso mensurar o resultado para ver o que foi benéfico e divulgar para toda empresa;
  • Continuar medindo o que está funcionando;
  • Ficar atento aos pequenos núcleos de resistência que podem tentar sabotar a nova cultura;
  • A vontade de transformação deve vir da liderança mais alta, pois o processo de transformação é tão traumático que parece como se a empresa estivesse sendo fundada de novo.

O Estilo Startup

Para o autor Eric Ries, a base da pirâmide do Estilo Startup é composta por Responsabilização, seguida de Processo, depois de Cultura e, no topo, Pessoas.

Responsabilização

Nesse nicho estão os sistemas, as gratificações e os incentivos que motivam o comportamento dos funcionários nas tarefas que devem ser realizadas. Esses sistemas de responsabilização devem estar alinhados com os objetivos da empresa.

Para a implementação de uma nova cultura, é por aqui que a transformação começa.

Processo

No nicho menos inferior da pirâmide estão as ferramentas e as táticas que os funcionários utilizam diariamente para realizar o trabalho. O processo flui em função da responsabilização, pois ela limita as escolhas.

Saiba que se um sistema de responsabilização punir qualquer falha, será impossível implementar processos de experimentação rápido e iterativo (que envolve muitas falhas e levam à inovação).

Exemplos: planejamento de projeto e gestão, coordenação de equipe e colaboração.

Aqui está o segundo passo da transformação!

Cultura

A união de hábitos, formas de trabalho, as crenças compartilhadas e implícitas, se condensam em uma cultura. A cultura é o retrato de como a organização atuou no passado, não em como ela deseja atuar.

Mudar a cultura não é tão fácil e não acontece de forma repentina, pois ela é formada com o tempo e é resíduo de todo processo e das responsabilizações da empresa.

Pessoas

Saiba que toda cultura atrai determinados tipos de pessoas. Uma cultura tóxica, por exemplo, repele o talento inovador.

O autor Eric Ries esclarece que é possível determinar o sucesso da organização pela capacidade das pessoas que ela consegue atrair e reter.

Saiba que:

Para você conseguir transformar sua empresa, a ordem de transformação deve ter início na responsabilização, para que você consiga otimizar seus processos com objetivo de implantar uma nova cultura para atrair boas pessoas.

Conforme explicado pelo autor Eric Ries em seu livro, “O Estilo Startup”, é possível “incubar” uma nova cultura dentro de uma organização tradicional. Para isso, basta organizar startups internas com pessoas de espírito inovador e incentivar para que essas pessoas cresçam e disseminem a ideia na empresa.

Outros livros sobre startups e sua forma de gestão

O autor Frederic Laloux traz em seu livroReinventando as Organizações, pontuações sobre o surgimento de um novo modelo organizacional que tende a ser adotado nas corporações. Ele analisa também o motivo pelo qual as organizações têm mudado seus hábitos, através da busca por colaboradores mais engajados e que se importem por melhoria contínua.

No livro “O Dilema da Inovação,Clayton M. Christensen traz conceitos para auxiliar o leitor a adequar sua empresa às inovações, com o objetivo de criar uma vantagem competitiva para superar concorrentes e dominar o mercado.

Jim Collins, no livro “Como as Gigantes Caem”, enumera os cinco passos para o declínio de grandes empresas. Dessa forma, o autor explora como até as maiores empresas podem entrar em colapso repentinamente.

Como posso implementar “O Estilo Startup” no meu negócio?

As práticas aplicadas nas startups também podem ser aplicadas nas empresas tradicionais.

Dessa forma, você deve entender os conceitos práticos de uma Startup Enxuta, como o ciclo de desenvolvimento.

Além disso, é importante desenvolver uma área de inovação na empresa, a qual contará com uma startup interna multidisciplinar para o desenvolvimento de um projeto específico e terá o objetivo de “incubar” uma nova cultura na empresa, que tem foco em inovação.

Avalie esse resumo do livro “O Estilo Startup

Esperamos que você tenha gostado do nosso resumo e consiga aplicar os conselhos do autor, Eric Ries, na sua startup. Nos avalie e deixe seu feedback, é muito importante para nós!

Além disso, para se inteirar mais sobre o conteúdo, adquira o livro clicando na imagem abaixo:

Livro “O Estilo Startup” - Eric Ries

Adicionar aos favoritos
Ler mais tarde
Marcar como lido
Create Account
Cadastre-se gratuitamente

E receba semanalmente resumo dos maiores best sellers para ler e ouvir quando quiser!