Rápido e Devagar - Daniel Kahneman

Sabia que a sua mente tem dois sistemas diferentes, e que muitas vezes eles acabam se contradizendo e pregando ciladas? Que tal conhecê-los melhor?

Adicionar aos Favoritos
Adicionar Para Ler
Marcar como Lido

O livro “Rápido e Devagar”, do autor Daniel Kahneman, faz um estudo sobre o funcionamento da mente humana nas tomadas de decisões, que se originam no pensamento e podem trazer problemas ou beneficiar as nossas vidas.

Entender o sistema de pensamentos é uma ferramenta poderosa para lidar com as situações e condições do mundo externo e evitar que nossa mente caia em armadilhas que podem prejudicar nossas escolhas.

Quer saber mais? Então continue a leitura deste PocketBook e descubra tudo sobre os conceitos do pensamento rápido! 

 

Sobre o livro “Rápido e Devagar”

 

“Rápido e Devagar” é um best-seller escrito pelo renomado autor Daniel Kahneman e foi publicado em 2011.

A obra, ganhadora do prêmio de melhor livro pela Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos em 2012, apresenta os entendimentos do autor sobre julgamento e tomada de decisões, baseando-se em descobertas do campo da psicologia.

 

Sobre o autor Daniel Kahneman

 

Nascido em Tel Aviv, Daniel Kahneman é considerado um dos maiores especialistas no ramo da economia comportamental. Em 2002, inclusive, ele ganhou o prêmio Nobel de Economia.

Com experiência na carreira acadêmica, como professor e pesquisador, o israelense é formado e especializado em Psicologia, além de ter conhecimento científico em Matemática. 

 

Esse livro é indicado para quem?

 

“Rápido e Devagar” é ideal para aqueles que desejam conhecer e entender como sua mente funciona para não cair em ciladas e tirar o melhor proveito possível dos sistemas de pensamento, beneficiando-se em termos financeiros e pessoais.

Vendedores e especialistas em marketing serão atraídos por este conteúdo, para aprender a trabalhar com o efeito de ancoragem em propagandas.

 

Ideias principais do livro “Rápido e Devagar”

 

  • A mente opera por meio de dois sistemas, chamados Sistema 1 e Sistema 2, que são acionados em diferentes momentos;
  • O Sistema 1 é automático, enquanto o Sistema 2 é controlado e analítico;
  • O Sistema 1 funciona como uma espécie de gatilho para o Sistema 2 e recorre a ele quando funciona com dificuldade;
  • Um estado de tensão requer uma mobilização ampliada do Sistema 2;
  • Um estado de bom humor reduz o controle do Sistema 2, dando lugar à intuição e à criatividade do Sistema 1, mas também deixando uma pessoa menos vigilante e com mais chances de cometer erros lógicos;
  • Nossas conclusões podem ser influenciadas pelo efeito de ancoragem, quando há a apresentação de um dado, mesmo que ele não seja informativo.

 

Faça o Download do Resumo do Livro "Rápido e Devagar" em PDF grátis

 

Está sem tempo para ler agora? Então faça o download gratuito do PDF e leia onde e quando quiser:

 

[Resumo do Livro] Rápido e Devagar - Daniel Kahneman,PDF

 

Dois sistemas de julgamento e escolha

 

O autor Daniel Kahneman pega emprestado os termos “Sistema 1” e “Sistema 2” de outros psicólogos para nomear os dois sistemas de julgamento, escolha e pensamento, que permeiam a mente humana, os quais vamos falar agora.

 

Sistema 1

 

Ele vive a monitorar tudo o que ocorre dentro e fora da mente e gera análises dos vários aspectos de cada situação, sem ter alguma intenção específica. Este sistema foi criado para fornecer análises contínuas dos problemas que devem ser resolvidos em prol da sobrevivência do organismo.

Sua operação é rápida e automática, ocorre com pouco ou nenhum esforço e sem que haja percepção de controle voluntário. Um exemplo de operação do Sistema 1 é o que ocorre quando vemos uma pessoa e, imediatamente, notamos suas feições físicas e entendemos suas expressões.

Sentimentos como simpatia também surgem do Sistema 1. Ele dá origem às impressões e sensações que servem como fonte para as crenças e escolhas do Sistema 2. Suas operações automáticas geram padrões de ideias complexos.

O autor exemplifica outros momentos em que o Sistema 1 entra em operação:

 

  • Detecção de qual objeto está mais longe;
  • Aparecimento de um som repentino;
  • A expressão feita ao olhar uma imagem desagradável;
  • Percepção de hostilidade em uma voz;
  • Compreensão de sentenças simples.

 

Sistema 2

 

Este sistema tanto recebe quanto produz perguntas que ele mesmo busca responder, dirigindo a atenção para elas e procurando soluções para esses questionamentos na memória.

Ele entra em ação quando precisamos executar uma tarefa mental trabalhosa, como resolver uma conta. Suas operações costumam estar associadas à experiência subjetiva de atividade, escolha e concentração.

Este segundo sistema tem crenças, faz escolhas e decide como pensar e agir a respeito de determinado assunto, coisa ou situação. Mais lento, o Sistema 2 constrói pensamentos em séries ordenadas, passo a passo.

De acordo com o livro, em determinadas situações, o Sistema 2 toma o controle para si, por precisar dominar os impulsos do Sistema 1. Suas operações exigem atenção e são descontinuadas quando a mesma é desviada.

Eis alguns outros exemplos dados pelo autor de quando o Sistema 2 é acionado:

 

  • Se concentrar na voz de uma única pessoa em um ambiente cheio de barulho;
  • Procurar por uma pessoa com característica específica;
  • Identificar um som surpreendente com ajuda da memória;
  • Monitorar o próprio comportamento em meio a outras pessoas;
  • Comparar o valor global de dois produtos;
  • Verificar a validade de um argumento lógico e complexo.

 

O resultado da interação entre os dois sistemas

 

Ambos são explicados de formas separadas, mas não funcionam de maneira isolada. Pelo contrário, um alimenta o outro; as impressões e sentimentos gerados pelo Sistema 1 podem ser endossados pelo Sistema 2, construindo crenças e ações voluntárias.

Além disso, o segundo sistema também é ativado quando ocorre algo que viola os padrões do primeiro sistema. Segundo Kahneman, o Sistema 2 é requerido ainda ao surgir algo com o qual o Sistema 1 não dá conta de lidar.

A obra revela que o primeiro sistema exerce maior influência sobre o segundo quando o este encontra-se ocupado. O que explicaria a dificuldade de resistir a um chocolate enquanto passamos horas fazendo lições de matemática.

 

A estratégia da substituição

 

A abordagem de heurística consiste na estratégia da substituição. Ela é apresentada pelo autor como uma forma empregada para resolver problemas difíceis

Para explicar como essa estratégia funciona, o autor cita a obra “A Arte de Resolver Problemas”, de George Pólya. A referência aponta que, se uma pessoa não consegue resolver certo problema, ela deve encontrar outro problema mais simples que dê conta de solucionar.

O livro exemplifica isso mostrando como a pergunta-alvo “O quanto você está feliz com sua vida atualmente?”, que em um primeiro momento é difícil de responder, pode ser respondida por outra pergunta mais simples, chamada heurística: “Qual é meu humor neste exato momento?”

Segundo ele, transformar uma pergunta complexa em heurística fornece uma resposta pronta ao questionamento. Essa resposta pronta precisa, então, se adaptar à resposta original. 

Isso é feito pela equiparação de intensidade do Sistema 1, que pode gerar mais de uma resposta para o dilema. O Sistema 2, por sua vez, tem duas opções: rejeitar a resposta proposta pelo Sistema 1, agregando novas informações em uma análise mais minuciosa, ou simplesmente aceitar o que o Sistema 1 diz.

 

O efeito de ancoragem

 

O efeito de ancoragem mostra que os julgamentos de uma pessoa são influenciados pela apresentação de um número, ainda que ele não seja informativo.

Mas onde os sistemas de pensamento entram nisso? O livro “Rápido e Devagar” afirma que, enquanto no Sistema 2 isso se dá através de um processo deliberado de ajuste, no Sistema 1 isso ocorre por meio de uma manifestação automática.

Um lado complicado do efeito de ancoragem é a possibilidade de tornar as pessoas mais propensas do que elas gostariam a aceitar determinadas sugestões.

Um exemplo é uma tática de marketing, aplicada por um supermercado que colocou uma sopa em promoção. No dia em que havia um cartaz dizendo: “limite de 12 por pessoa”, os clientes compraram, em média, o dobro da quantia obtida de quando não havia limite estabelecido.

Segundo Kahneman, o conselho dos psicólogos Adam Galinsky e Thomas Mussweiler é focar a atenção e buscar na memória argumentos contra a âncora. Dessa forma, a mente neutraliza pensamentos tendenciosos a esse efeito.

 

O passado distorcido

 

Com Nassim Taleb, Daniel Kahneman aprendeu que histórias distorcidas do passado podem moldar as expectativas para o futuro de uma pessoa, e suas visões de mundo — algo que é chamado de falácia narrativa.

Essas falácias surgem inevitavelmente quando se tenta extrair sentido do mundo. O âmago da questão é que, ao acreditar que entende o passado, a pessoa conclui que é possível conhecer o futuro. O problema é que não conhecemos o passado tão bem quanto imaginamos.

Quando algo inesperado ocorre, ou seja, algo que a mente não previu, a visão de mundo é ajustada para acomodar a surpresa. A adoção de uma nova visão de mundo faz com que a pessoa perca muito da sua capacidade de lembrar no que acreditava antes de mudar de ideia.

A incapacidade de recordar as crenças do passado faz com que você subestime como foi surpreendido pelos acontecimentos de tempos atrás. Isso é chamado de efeito “eu-sempre-soube” ou ainda, de "viés retrospectivo".

 

A ilusão cognitiva

 

Assim como o Sistema 1 pode nos levar a cair em ilusões de ótica, ele também pode causar ilusões de pensamento. Essas ilusões cognitivas são difíceis de prevenir, visto que ele opera automaticamente.

A obra chama este sistema de “uma máquina de tirar conclusões precipitadas”. Conclusões precipitadas são úteis quando têm grandes chances de estarem certas, se no final poupam tempo e esforço ou se as consequências de um erro eventual não forem muito significativas.

Já quando essas conclusões apressadas envolvem situações pouco familiares, em que há muita coisa importante em jogo e falta tempo para obter mais informações, elas representam um risco. 

Teoricamente, esses erros produzidos pelo primeiro sistema só seriam prevenidos por uma vigilância constante e diligente do segundo sistema. Isso não é exatamente praticável, já que se traduziria em um questionamento constante do próprio pensamento.

Isso sem contar que existem as decisões que precisam ser tomadas rapidamente, ao passo que o Sistema 2 funciona de forma lenta. 

Por isso, a solução apresentada por Kahneman é aprender a perceber as situações em que erros são prováveis e se esforçar mais para evitar os grandes equívocos nas ocasiões importantes.

 

Escolhas

 

Junto de Amos Tversky, o autor estudou as atitudes das pessoas frente a opções de risco para responder à seguinte pergunta:

 

"Quais regras governam as escolhas das pessoas quando elas tem que decidir entre apostas simples e coisas seguras?”

 

O autor alerta que as consequências de uma escolha nunca estão certas: mesmo as que parecem completamente seguras carregam algum grau de incerteza.

Em meio aos estudos, Tversky e Kahneman elaboraram a Teoria da Perspectiva. Com isso, eles puderam concluir que as pessoas tornam-se favoráveis ao risco quando todas as outras opções são ruins.

No início de seus trabalhos sobre a teoria, a dupla concluiu que as pessoas atribuem mais valores a perdas do que a ganhos. Ou seja, se preocupam mais em evitar uma perda do que em garantir um ganho.

O livro “Rápido e Devagar” relata que o cerne dessa teoria tem três características cognitivas. Elas exercem um papel crucial na análise dos resultados financeiros e são comuns a uma série de processos automáticos de percepção, juízo e emoção, vistas como operações do Sistema 1. Vamos abordá-las a seguir.

 

Avaliação

 

Esta característica cognitiva depende de um ponto de referência neutro. Em casos financeiros, esse ponto costuma ser a situação atual, mas também pode ser o resultado esperado, como um aumento de salário ou um bônus no trabalho.

 

“Resultados que são melhores do que os pontos de referência são ganhos, já os abaixo do ponto de referência são perdas.”

 

Sensibilidade descrente

 

Sua explicação parte do exemplo de que se acender uma luz fraca no escuro é impactante, acender uma luz fraca em um local já bem iluminado é insignificante. 

Financeiramente, isso pode ser aplicado na diferença subjetiva que um mesmo valor de 100 dólares pode ter em diferentes situações.

 

Aversão à perda

 

Quando ganhos e perdas são comparados, as últimas têm um peso maior do que as primeiras.

 

“Organismos que tratam ameaças como mais urgentes do que as oportunidades têm uma melhor chance de sobreviver e se reproduzir.”

 

Sobre o bem-estar

 

Após estudar as chamadas lembranças equivocadas, o autor passou a desconfiar que a satisfação geral com a vida seja uma medida confiável de bem-estar.

Ele montou uma equipe — composta por mais três psicólogos de diferentes especialidades e um economista — para desenvolver uma medida de bem-estar do "eu experiencial".

O escolhido foi o Método de Reconstrução do Dia (DRM, sigla em inglês). O método consistia em chamar as participantes para uma sessão de duas horas para contar detalhadamente sobre o dia anterior, separando-o em episódios.

Após isso, elas respondiam perguntas sobre cada episódio. Os questionários aplicados incluíam medições de satisfação com a vida. No meio disso tudo, elas também classificavam a intensidade dos seus sentimentos.

Uma das observações dos pesquisadores foi que metade das participantes passavam um dia todo sem viver um momento desagradável. Enquanto isso, uma expressiva minoria experimentou uma aflição emocional significativa durante boa parte do dia.

Segundo o autor, isso pode ser “devido a alguma enfermidade física ou mental, um temperamento infeliz ou aos azares e tragédias pessoais em sua vida”.

Por fim, Kahneman conclui afirmando que o humor de alguém em dado momento depende mais da situação presente em si do que dos fatores que influenciam a satisfação geral com determinado aspecto de sua vida. 

O foco da atenção também exerce um papel importante neste sentido: a obra ensina que o estado emocional de alguém é muito determinado pelo objeto da sua atenção naquele momento.

 

O que outros autores dizem a respeito?

 

Em "Previsivelmente irracional", Dan Ariely nos ajuda a identificar a origem de nossas escolhas erradas e irracionais e a evitar repeti-las. Através de exemplos do dia-a-dia, o autor demonstra que acabamos fazendo escolhas em termos relativos, de comparação, e não em termos absolutos, sendo essa uma das origens de nossos equívocos. 

Já a autora Tali Sharot, em “A Mente Influente”, afirma que as informações que nos acercam, e o fácil acesso a elas, torna as pessoas mais suscetíveis a formar crenças e a resistir às mudanças.

Por fim, em “F*deu Geral”, o autor, Mark Manson, defende a ideia de que para cada ação existe uma reação emocional oposta e de igual intensidade, criando uma lacuna mental, que é a sensação de que algo deu errado e você merece ser recompensado.

 

Certo, mas como posso aplicar isso na minha vida?

 

  • Desconfie das intuições e das conclusões precipitadas que a mente prontamente sugere;
  • Para não ficar submetido aos efeitos de ancoragem do dia a dia, busque em sua mente argumentos contra a âncora em questão;
  • Desconfie das crenças que têm acerca do que ocorreu no passado;
  • Aprenda a notar os casos em que erros são prováveis e se esforce para evitar os grandes equívocos em momentos importantes;
  • Não confie em uma convicção muito subjetiva como indício de precisão sobre algo.

 

Gostou desse resumo do livro “Rápido e Devagar”?

 

Esperamos que você tenha gostado do nosso resumo e consiga aplicar os conselhos do autor na sua vida. Deixe sua opinião nos comentários, seu feedback é muito importante para nós!

Além disso, para se inteirar mais sobre o conteúdo, adquira o livro clicando na imagem abaixo:

 

Livro “Rápido e Devagar”

 

Nota:
O conteúdo apresentado acima traduz a visão e análise crítica da nossa equipe de redatores, respeitando os fundamentos de propriedade intelectual no Brasil (artigo 8, inciso I).
Nenhuma parte do livro está sendo copiada. São conteúdos únicos e exclusivos, sempre dando créditos aos autores e indicando o link para aquisição da obra completa. A PocketBook4You respeita o código de direitos autorais de acordo com o estabelecido na legislação brasileira, Lei 9.610/98.
Este conteúdo é de propriedade exclusiva da PocketBook4You e está protegido pela Lei de Direitos Autorais em seus artigos 46, I, (a) e em seu artigo 47, isso porque não se trata de reprodução e também não lhe implicam qualquer descrédito, pelo contrário, o direito moral é protegido e, como ressaltado anteriormente, o leitor recebe um link para adquirir a obra. É proibida a reprodução deste material sem a autorização da empresa.
Adicionar aos Favoritos
Adicionar Para Ler
Marcar como Lido
Cadastre-se gratuitamente

E receba semanalmente resumo dos maiores best sellers para ler e ouvir quando quiser!

Aprenda um novo livro a cada dia. Se inscreva na news e confira os destaques de hoje!